quinta-feira, 28 de maio de 2009

Assentamento inaugura casa de farinha com presença do governador


O Jubileu 2000 localizado no município de São Miguel dos Milagres é um dos assentamentos da CPT-AL com maior produtividade de mandioca e derivados


Por: Helciane Angélica - Jornalista



Neste sábado (30.05) terá um grande dia festivo no assentamento Jubileu 2000, distante 14 km da cidade de São Miguel dos Milagres no litoral norte alagoano, que é acompanhado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL). A partir das 10h, será inaugurada uma casa de farinha, e tem a presença confirmada do governador Teotonio Vilela Filho, que chegará de helicóptero no local.

A casa de farinha será instalada no centro do assentamento e irá suprir uma necessidade da região, já que a produção de farinha era feita de forma artesanal e com várias limitações. Durante uma boa safra, cada família camponesa chega a produzir cerca de 100 kg de farinha, mas também poderiam passar alguns meses sem trabalhar neste cultivo, devido aos problemas para a comercialização e a dificuldade de deslocamento na estrada de barro.

O novo empreendimento trará mais benefícios e envolverá um maior número de pessoas. “Teremos um trabalho melhor que será valorizado pela população. Com essa nova casa de farinha, teremos mais condições de trabalho e vamos garantir renda para o assentamento”, declarou Cícero Antônio da Silva, presidente da Associação do Programa de Assentamento Jubileu 2000. Também destacou-se que a casa de farinha tem um roldo de melhor qualidade, um espaço maior para a prensa e poderá prender mais massa, ou seja, facilitará o trabalho e manterá a qualidade do produto.

O governador conhecerá de perto a realidade das 41 famílias que residem no Jubileu 2000. Será a oportunidade para fortalecer o diálogo e entregar um documento com solicitações de melhorias para a comunidade, como: reforma e ampliação de uma das casas, para que o espaço seja utilizado nas reuniões, secretaria do assentamento e até posto médico; também será exigida uma melhor estruturação da casa de farinha que garanta a durabilidade do projeto, com a instalação de um galpão para armazenar a mandioca e outros utensílios de trabalho, além da aquisição de uma balança de precisão.

O Jubileu 2000 é um dos mais antigos assentamentos e com grande produtividade e variedade de cultivos como: mandioca, mamão, banana, maracujá, abacaxi e outros. Teve início no dia 26 de novembro de 1999, com a primeira ocupação realizada na antiga fazenda Engenho, onde 90 famílias acompanhadas pela CPT-AL exigiram a desapropriação das terras que não estavam sendo exploradas e o imóvel em estado de abandono.

Casa de Farinha

A farinhada é uma tradição indígena que foi incorporada pelos negros, e atualmente é tão comum nas comunidades rurais, remanescentes de quilombo e assentamentos. No período colonial, a farinha de mandioca era usada para a alimentação dos escravos, dos criados das fazendas e engenhos, além de servir também como suprimento de viagem para os portugueses.

O processo de produção da farinha envolve várias pessoas, que são divididas no plantio da mandioca até no preparo de outros derivados, como: deliciosos bolos, beijus, tapiocas e outras guloseimas. Após a colheita da mandioca ou macaxeira, a raiz é descascada e colocada na água para amolecer e fermentar ou pubar. Em seguida, é triturada ou ralada em pilão ou no ralador ou caititu. A mandioca ralada vai caindo em um cocho, sendo depois prensada no tipiti (tipi = espremer e ti = líquido, na língua tupi) para a retirada de um líquido chamado manipueira. Depois de peneirada e torrada, a farinha está pronta para o consumo.

Nenhum comentário: