quinta-feira, 23 de julho de 2009

Celebração dos 25 anos da CPT-AL inicia nesta quinta-feira

As atividades serão iniciadas com a doação de alimentos para famílias carentes na favela Sururu de Capote, também, serão realizados debates sobre a importância da reforma agrária e a missão da CPT



Por: Helciane Angélica - jornalista


Nesta quinta-feira (23.07) iniciam as atividades comemorativas dos 25 anos da Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL), que mesclam ações de cidadania, formação política, cultura e celebração religiosa. Cerca de 1000 camponeses e camponesas estarão presentes na Praça Afrânio Jorge (Praça da Faculdade), no bairro do Prado em Maceió.

A programação será oficialmente aberta às 10h na favela Sururu de Capote, no campo do Botinha próximo à Igreja Virgem dos Pobres no bairro do Vergel. Na ocasião, terá um ato reflexivo sobre as consequências do êxodo rural, além da entrega de 5 mil quilos de alimentos (feijão, farinha, macaxeira, banana, laranja, etc) oriundos das áreas de assentamentos acompanhados pela CPT, que serão doados para as famílias carentes da comunidade.

Segundo a líder comunitária Vânia Teixeira, essa ação social realizada pela CPT-AL veio em boa hora, pois demonstra respeito e companheirismo às pessoas que vivem de forma precária às margens da lagoa Mundaú. “Eu estou muito grata por receber esse apoio, principalmente, nesse período difícil que estamos passando, onde muitas lideranças estão sendo ameaçadas”. Também afirmou que os alimentos serão divididos com as famílias que foram transferidas para o bairro do Benedito Bentes. “Esses alimentos são abençoados e vamos levar uma parte para as pessoas da Cidade Sorriso, que estão passando necessidade. Eles estão longe de tudo e as dificuldades aumentaram porque o sustento vem da lagoa, é a mesma coisa que tirar o homem do campo”, ressaltou.

Atualmente cerca de 1600 famílias residem na favela Sururu de Capote, e muitas delas são oriundas de várias cidades do interior de Alagoas e de Pernambuco, que vieram estudar e em busca de melhores condições de trabalho, pois estavam cansados de serem explorados nos canaviais.


Formação política e exposições


Para garantir o aprofundamento político, educadoras que atuam nas escolas itinerantes irão coordenar um aulão sobre a História da CPT e repassar informações sobre as ações desenvolvidas. A partir das 19h no auditório do Sindicato dos Bancários, formadores de opinião, acadêmicos e trabalhadores prestigiarão a palestra “Atualidade da Reforma Agrária e a Missão da CPT”, ministrada pelo coordenador nacional da CPT, Pe. Hermínio Canôva – sociólogo que trabalha a questão da teologia da terra para leigos e seminaristas; especialista na questão agrária no Nordeste e atuante na Arquidiocese de João Pessoa (PB).

O público também poderá conferir até sábado, na Praça da Faculdade, uma exposição fotográfica com 170 fotos, que ressaltam os fatos marcantes durante a trajetória da instituição no estado de Alagoas, também, serão apresentados todos os boletins informativos “Caminho da Roça” produzidos pela CPT-AL. Além disso, serão instalados estandes temáticos sobre as áreas acompanhadas, localizadas na zona da mata, litoral e sertão alagoano.

A Comissão Pastoral da Terra em Alagoas faz parte da Regional Nordeste II (AL-PE-PB-RN) da CPT-Rede Nacional, é uma entidade sem fins lucrativos e de caráter ecumênica. Busca a transformação sócio-política e o protagonismo dos trabalhadores rurais, além de lutar pela garantia aos direitos à terra, água e dignidade humana. Atualmente acompanha 1.525 famílias camponesas distribuídas em 40 áreas: 15 assentamentos e 25 acampamentos.

Nenhum comentário: