quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Resoluções da reunião entre CPT e SEE


Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT


Na tarde desta quarta-feira (23), o Secretário Estadual de Educação, Rogério Teófilo, recebeu alguns integrantes da Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL) para discutir demandas urgentes na melhoria da educação no campo. Na reunião, estiveram presentes: Celina Peixoto, assessora especial do Gabinete Civil; Neilton Nunes, Superintendente de Gestão da Educação Base; e Raildo Ferreira, Gerente de Educação no Campo (Geduc); Henrique Santos, sociólogo e coordenador da CPT e Michelle Passos, coordenadora pedagógica das escolas itinerantes acompanhadas pela pastoral social.

As pautas discutidas foram: a manutenção da Gerência de Educação no Campo (GEDUC); a implantação efetiva do programa federal Saberes da Terra e contratação dos professores no Estado; melhorias na infraestrutura das escolas itinerantes, inclusive, a entrega de um projeto para a ampliação da escola situada no acampamento Boa Viagem em Olho D'água do Casado; e a reativação do Programa Olhar Brasil (consultas oftalmológicas e entrega dos óculos).

O Secretário ressaltou que encontra-se apenas há 100 dias no comando do órgão público, e em relação a destituição do Geduc para criar o Setor de Diversidade (questão racial, gênero, educação indígena e do campo), afirmou que não tinha conhecimento do novo formato, mas que iria agendar uma nova reunião para decidir o melhor encaminhamento. "O que o governador quer é uma secretaria mais leve e que a estrutura seja mais democrática. (...) Não tem nada confirmado sobre a destituição do Geduc, nós iremos ter uma reunião interna e nada impede de ter uma conversa com os movimentos. Eu quero um diálogo produtivo, com os representantes de cada segmento", disse.

Em relação ao Programa Saberes da Terra (Pró-Jovem Rural) foi confirmada a carência de professores e a demanda expressiva para o campo. Também foi avaliada a forma diferenciada de tratamento que o governo federal faz entre o pró-jovem rural e do campo; onde é oferecida toda as condições necessárias para os estudantes da cidade com infraestrutura, material didático e bolsas. Enquanto isso, no pró-jovem rural os recursos são insuficientes.

O coordenador da CPT, Henrique Santos, reforçou que o compromisso do Estado com esse programa foi firmado pela ex-gestão e que desde janeiro as aulas não acontecem. Cerca de 980 alunos foram matriculados, mas não estão recebendo as bolsas (R$100 a cada dois meses) e não possuem nenhuma perspectiva para começar os estudos. Além disso, existe 1 milhão e 865 mil reais depositado no ano passado e que está retido nos cofres públicos por causa do atraso no envio de documentações.

Os gestores da SEE afirmaram que não existirá a perda do recursos, pois o prazo pode ser prorrogado após acordo com o Ministério da Educação, e também, porque os professores-monitores estão sendo selecionados e a previsão é que no mês de outubro a situação burocrática seja solucionada.

Quanto as escolas itinerantes, a CPT-AL entregou um projeto para a ampliação de uma escola localizada no acampamento Boa Viagem em Olho D'água do Casado, no próximo ano. Em relação a construção da primeira escola rural, o Gabinete Civil deverá emitir uma portaria para a efetivação de uma comissão de trabalho para fazer um diagnóstico crítico sobre a demanda e construir o projeto. A comissão deverá ser composta por representantes da SEE, Seinfra, Serveal, Prefeitura de União dos Palmares, CPT-AL e dos movimentos rurais.

A reunião foi encerrada em clima cordial e novos momentos serão agendados para solucionar as demandas que garantam uma educação digna para crianças, jovens e adultos camponeses.

Nenhum comentário: