quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Ato no FSM denuncia criminalização dos movimentos sociais

Amanhã (28/1), durante a programação do Fórum Social Mundial, no RS, movimentos sociais, sindicais e estudantis realizam um grande ato contra a criminalização dos movimentos.

A atividade acontece a partir das 20h, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul (Praça Marechal Deodoro, 101, em Porto Alegre), e terá as participações de João Pedro Stedile, da coordenação nacional do MST, Jacques Alfonsin, jurista e procurador do Estado do Rio Grande do Sul, Quintino Severo, secretário-geral da CUT, Fátima Mello, diretora da FASE, Daniel Pascual, da Via Campesina Internacional, Raul Zibechi, jornalista e editor do semanário uruguaio Brecha, e Christophe Aguiton, da ATTAC – França.

Durante o ato, a Via Campesina lança a cartilha "A ofensiva da direita para criminalizar os movimentos sociais" , que reúne textos e entrevistas sobre o processo de combate dos setores conservadores aos trabalhadores organizados no país.


Fonte: www.mst.org.br

2 comentários:

BOCA DE CAÊRA disse...

apoio a decisão do FSM, mas temos que encara os fatos de que o mesmo já não é mais o mesmo. o FSM virou "panelinha" eleitoreira!

BOCA DE CAÊRA disse...

NESTE MESMO FORUM PODRE O PRESIDENTE NACIONAL DO MST, STEDYLE, AFIRMOU AO JORNAL RIO GRANDENSE (ZERO HORA) QUE "OCUPAR TERRA NÃO SOMAVA ALIADOS..." COMO SE OS MOVIMENTOS SOCIAIS OCUPAM TERRA POR BRINCADEIRA PARA SUPRIR CONCHAVOS MERAMENTE POLITIQUEIROS, COMO É O COSTUME DO MST.

O POVO OCULPA TERRA PORQUE PRECISA, NÃO PORQUE QUER FAZER AMIZADE COM A BURGUESIA NÃO!