terça-feira, 30 de março de 2010

Convênio vai beneficiar escoamento da agricultura familiar

Investimento de R$ 1 milhão vai garantir melhor infraestrutura em assentamentos rurais


O convênio de cooperação mútua técnico-financeira assinado nesta segunda-feira (29) pelo governo de Alagoas, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), vai garantir melhorias nas estradas de acessos a três assentamentos rurais, beneficiando o escoamento da produção familiar no Estado.

Durante a solenidade de entrega das primeiras sacas de sementes selecionadas de milho, feijão e arroz para os diversos movimentos sociais de trabalhadores do campo, o governador Teotonio Vilela destacou a parceria do seu governo com o Incra, que proporcionou momentos como esse de assinatura de um convênio de R$ 900 mil, com contrapartida de R$100 mil do governo do Estado, totalizando um investimento de R$ 1 milhão que será aplicado na melhoria de estradas de acessos aos assentamentos Ouricuri I e II, em Atalaia, com a recuperação de 9 km da estrada ligando o povoado do Ouricuri à BR-316.

A recuperação da estrada é esperada há anos pelos moradores dos assentamentos, que têm dificuldade de chegar até Atalaia, e vai contribuir para a comercialização de seus produtos.

O convênio também contempla os assentamentos Jubileu 2000 e Quilombo dos Palmares, onde serão construídas quatro pontes de concreto que vão substituir as pontes precárias, feitas de material como troncos de coqueiros, garantindo um tráfego seguro dos assentamentos até as cidades de São Miguel dos Milagres e Matriz do Camaragibe.

As lideranças dos movimentos sociais comemoraram a assinatura do convênio, que segundo a representante da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Maria Cícera de Menezes, representa a confirmação de uma reivindicação antiga dos movimentos sociais da região, que trará benefícios para os camponeses e camponesas.

O diretor-presidente do DER, Marcos Vital, confirmou que com o convênio assinado com o órgão é o primeiro passo para dar início à licitação dos contratos nos três assentamentos beneficiados, o que deve ocorrer em um prazo máximo de 90 dias, conforme os trâmites necessários à licitação pública.

Segundo Vital, o DER também já se mobilizou para dar início a um trabalho paralelo de melhoria das condições das estradas de acesso aos assentamentos Jubileu 200 e Quilombo dos Palmares, enquanto aguarda o final da licitação para que seja dada a ordem de serviço nos três assentamentos beneficiados com o convênio.


Fonte: Agência Alagoas

domingo, 28 de março de 2010

Bastidores - 11º Jejum da Solidariedade

Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL.

A atividade ocorreu na área externa do Fórum Agrário/Vara Agrária em Maceió-Alagoas.

Já são 11 anos, e foi a primeira vez que ocorreu neste local.

Acontece sempre antes da semana santa, também, é uma forma de protestar pacificamente.

Todos refletindo e orando em comunhão com as pessoas que passam fome e outras necessidades no mundo.

Estrangeiros também participaram: o francês e ambientalista, Tilly Erseu; e a religiosa canadense Lise Vallée que é da Congregação das Irmãs Assunção.

A ação é ecumênica, também, reúne leigos e técnicos agrícolas.

Mais uma vez, teve a participação do Pastor Wellington Santos - Igreja Batista do Pinheiro.

Das 8 às 18h, os participantes do jejum tomaram apenas água.

As noviças da Congregação Filhas do Sagrado Coração de Jesus (Feitosa) estiveram pela primeira vez.

Destaque para os cântigos da igreja católica e que representam a luta camponesa.

A atividade também serviu para refletir sobre as dificuldades das famílias camponesas e as consequências do êxodo rural.

Padre Rogério Madeiro, coordenador das pastorais sociais da Arquidiocese de Maceió

Também estiveram no local integrantes de outras pastorais sociais: o Pe. Amaro da Pastoral do Negro e Sueli da Pastoral da Criança.

Carlos Lima, coordenador estadual da CPT, fez a celebração final "O Direito é fruto da luta".

"A luta é pela terra ... A luta é por liberdade!"

sexta-feira, 26 de março de 2010

CPT realiza Jejum da solidariedade no Fórum Agrário


Essa é a 11ª edição, trata-se de um momento de reflexão e de comunhão às pessoas que passam fome no mundo


Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL


A Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL) realiza nesta sexta-feira (26.03) o 11° Jejum de Solidariedade às pessoas que passam fome e outras necessidades no mundo. O protesto pacífico acontecerá no Fórum Agrário em Maceió, das 8 às 17h30, e refletirá sobre o tema “A justiça que queremos”.

A manifestação é realizada anualmente, sempre na sexta-feira que antecede a semana da Paixão de Cristo, e conta com a adesão de pessoas de várias partes do mundo, destacando-se os países do Canadá e Itália. Em Alagoas participam os coordenadores da CPT, técnicos agrícolas, religiosos, padres e leigos.

Na programação constam orações, cânticos e a leitura da Bíblia, seguindo como motivação a reflexão crítica de Isaías: “O jejum que eu quero é este: acabar com as prisões injustas, desfazer as correntes do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e despedaçar qualquer jugo; repartir a comida com quem passa fome, hospedar em sua casa os pobres sem abrigo, vestir aquele que se encontra nu, e não se fechar à sua própria gente”.

Essa é a primeira vez que a atividade acontece em frente à Vara Agrária, e fará a reflexão sobre a busca dos direitos das famílias camponesas e as consequências do êxodo rural. A ação também já protestou sobre o desvio de recursos públicos, a corrupção e irregularidades na política alagoana em vários espaços públicos como: a Assembleia Legislativa de Alagoas, Tribunal de Justiça e na superintendência estadual do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra-AL).


PROGRAMAÇÃO

08h00 – Celebração inicial - O Jejum que queremos (Is. 58,1-12)
10h00 – Quero ver brotar o direito como água (Amós 5,24)
12h00 – Esperávamos o direito, e nada... (Is, 59,11b) – Relato da Fazenda Boa Esperança – Major Isidoro
14h00 – O justo perece e ninguém se incomoda (Is 57) – Relato da situação das favelas (Vila Emater, Favela dos pescadores do Jaraguá, Favela Sururu de Capote)
16h00 – Eu vi e ouvi o clamor do povo (Ex 3,7-10) – Deus está conosco e o compromisso que temos de fazer a justiça acontecer.
17h30 – Celebração final: O Direito é fruto da luta – Relato da Fazenda Lucena/Assentamento Irmã Dorothy Stang (Porto de Pedras)

quinta-feira, 25 de março de 2010

quarta-feira, 24 de março de 2010

Agricultores participam de reunião no Palácio do Governo

Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL


As 71 famílias camponesas dos assentamentos Quilombo dos Palmares e Jubileu 2000, que recebem o apoio da Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL) reivindicam desde o ano passado a melhoria das estradas e a recuperação das pontes que dão acesso a cidade de São Miguel dos Milagres no litoral norte de Alagoas. Hoje (24.03) às 15h, representantes das áreas participarão de uma reunião na sala de imprensa, no Palácio República dos Palmares em Maceió.

Também estarão presentes o superintendente estadual do Incra, Gilberto Coutinho; Marcos Bezerra, Ouvidor Agrário Estadual; Macos Vital, presidente do Departamento de Estradas e Rodagem (DER); a assessora do Gabinete Civil, Celina Peixoto; e coordenadores da CPT.

Atualmente, a comercialização dos produtos agrícolas está sendo prejudicada porque as pontes feitas com toras de coqueiro estão quebradas, a estrada tem muitos buracos e os caminhões que fazem o frete não conseguem chegar ao local. Além disso, os moradores têm que andar várias horas para ter acesso aos postos de saúde e até a escola, inclusive, os alunos que estudam à noite arriscam as suas vidas porque não existe transporte público.

O encontro é resultado da mobilização que teve início ontem, após o dia todo de ocupação na prefeitura do município. Cerca de 30 trabalhadores rurais ainda estão no local para pressionar as autoridades, já que o inverno se aproxima e os problemas tendem a se agravar. Caso a situação não seja resolvida, eles permanecerão no prédio por tempo indeterminado.

CARTA DE AGRADECIMENTO



A Comissão Pastoral da Terra de Alagoas (CPT-AL) agradece as diversas pessoas que foram solidárias com a luta das famílias camponesas que ocupam o imóvel rural Boa Esperança, em Major Izidoro e estão ameaçadas de despejos. As correspondências enviadas por vocês às autoridades brasileiras demonstraram o compromisso com a justiça social. As 28 famílias foram informadas do apoio e sentiram-se fortalecidas na luta que travam pelo direito de conseguir um pedaço de terra para plantar.

Apesar da mobilização local, nacional e internacional as autoridades presentes na audiência judicial dos dias 17 e 18 de março não conseguiram resolver o impasse colocado pela justiça estadual (juiz agrário) que determinou a desocupação do imóvel e a justiça federal proibiu o INCRA de vistoriar o imóvel sob a alegação de esbulho. Esbulho é quando o proprietário de um determinado imóvel sente-se impedido de tocar a propriedade por conta de uma ocupação, no caso da fazenda Boa Esperança, foi uma decisão absurda, visto que as famílias foram convidadas pelo proprietário para entrar na área, com a promessa que aquelas terras seriam delas.

É uma vergonha para o Estado brasileiro não desapropriar uma área que é improdutiva, na qual as pessoas foram convidadas pelo dono para trabalhar, com a promessa que a terra seria delas, que deve aos cofres públicos e foi flagrada em crime ambiental.

Após várias horas de audiência e a dificuldade de se construir um acordo, no qual as famílias seriam beneficiadas com a desapropriação do imóvel e de ameaças explícitas do uso da força policial para retirar as famílias, foi construído o seguinte acordo:

1. A lavoura que as famílias plantaram em Boa Esperança será indenizada pelo proprietário;

2. Vai ser ofertada uma nova área, chamada São Felix, em Major Izidoro, em troca as 28 famílias desocupam a fazenda Boa Esperança de forma pacífica;

3. Na fazenda São Feliz será garantido, de imediato, o direito de plantar e criar os animais;

4. O INCRA vai doar 15 tubos de lona para armar o acampamento na fazenda São Felix e criar estruturas provisórias para abrigar os animais;

5. A terra da fazenda São Felix deve ser entregue arada (pronta para plantar);

6. O INCRA se comprometeu em continuar o processo de desapropriação da fazenda Boa Esperança;

7. O prazo para realização do acordo acaba no dia 10 de abril, caso o INCRA não cumpra os prazos o juiz determinou a desocupação imediata, inclusive com o uso da força policial;

8. As famílias só desocupam o imóvel, caso todos os itens do acordo sejam atendidos.



Agradecemos o apoio e reafirmamos nossos laços de solidariedade entre a luta das camponesas por terra e os gestos humanitários praticados por cada um de vocês.



Maceió-AL, 23 de março de 2010.


Comissão Pastoral da Terra de Alagoas (CPT-AL)

terça-feira, 23 de março de 2010

Agricultores permanecem com ocupação

Os trabalhadores rurais continuarão ocupando a Prefeitura de São Miguel dos Milagres em busca de melhorias nas estradas de acesso dos assentamentos até à cidade.


Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL


Cerca de 30 trabalhadores rurais estão ocupando a Prefeitura de São Miguel dos Milagres desde às 9h desta terça-feira (23.03). Eles recebem o apoio da Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL) e reivindicam a melhoria das estradas, que ligam os assentamentos Quilombo dos Palmares e Jubileu 2000 à cidade. As 71 famílias assentadas sofrem com as más condições de acesso e a situação se agrava durante o período chuvoso.

A comercialização dos produtos agrícolas está sendo prejudicada porque uma das pontes está quebrada, a estrada tem muitos buracos e os caminhões que fazem o frete não conseguem chegar ao local. Além disso, os moradores têm que andar várias horas para ter acesso aos postos de saúde e a escola, inclusive, os alunos que estudam à noite arriscam as suas vidas porque não existe transporte público.

Segundo o prefeito Adalberto Paiva as exigências estavam fora do seu alcance. Ele afirmou que o transporte para os doze alunos do horário noturno tem que ser garantido pelo Governo, pois eles estudam na Escola Estadual. Em relação aos recursos destinados para a execução das obras, deixou bem claro que os agricultores deveriam ocupar o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra-AL) porque o órgão que afirmou no ano passado a existência de 410 mil reais.

Para pressionar uma resolução imediata das autoridades, os agricultores vão dormir no local e amanhã às 15h, participarão de uma reunião no Palácio República dos Palmares em Maceió, com a presença do superintendente estadual do Incra, Gilberto Coutinho, representantes do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) e coordenadores da CPT.

Estudantes debatem propriedade privada

Nesta segunda-feira (22), cerca de 70 alunos do segundo ano do ensino médio da Escola Estadual Judithe Nascimento participaram de um debate sobre "propriedade privada". A atividade aconteceu das 19 às 22h, na cidade de Messias, teve a palestra do historiador e coordenador estadual da CPT-AL, Carlos Lima, que também falou sobre o trabalho realizado com as famílias camponesas em todo o Estado.

Cofira as fotos tiradas por Henrique Santos:






Assentados ocupam prefeitura de São Miguel dos Milagres


Desde o ano passado, os agricultores buscam melhorias nas estradas que dão acesso até a cidade. A comercialização dos produtos agrícolas, acesso à saúde e escolas estão prejudicados.

Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL


Trabalhadores rurais que moram nos assentamentos Quilombo dos Palmares e Jubileu 2000, que possuem 71 famílias acompanhadas pela Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL), estão ocupando desde as primeiras horas desta terça-feira (23.03) a Prefeitura de São Miguel dos Milagres. Mais uma vez, eles reivindicam a melhoria das estradas e a manutenção das pontes que dão acesso até a cidade.

O prefeito Adalberto Paiva conhecido por “Draga” não se encontra no local, e os funcionários afirmaram que neste momento ele está no município de Porto de Pedras. Essa não é a primeira vez, que a mobilização ocorre para buscar soluções sobre as dificuldades de acesso no local, somente em 2009 foram duas ocupações, uma no dia 16 de junho e a outra no dia 08 de setembro. Na ocasião o superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra-AL), Gilberto Coutinho, afirmou que existia um recurso de 410 mil reais para a execução das obras, mas até agora nada foi cumprido.

Atualmente, os assentados afirmam que as estradas estão em péssimo estado e tem dificuldades de ir até aos postos de saúde e escolas. Além disso, os alunos do ensino médio que estudam à noite estão sem transporte público. No período de chuvas, a situação ficará ainda mais delicada, pois as famílias ficam ilhadas e a comercialização dos produtos agrícolas é prejudicada.

De acordo com a assentada Cristiane dos Santos a ocupação é por tempo indeterminado e mais agricultores vão para o local com o objetivo de fortalecer a luta. “Nós ainda não fomos ouvidos, mas vamos esperar o prefeito chegar. Se ele não aparecer, nós viemos preparados para dormir aqui. Desde o ano passado que nós passamos dificuldades e nada é resolvido, não aguentamos mais isso”, declarou. Uma comissão também virá hoje à tarde até Maceió, para reivindicar seus direitos no Incra-AL.

segunda-feira, 22 de março de 2010

22 de março - Dia Internacional da Água


A Comissão Pastoral da Terra está organizada em todo o território nacional em 21 regionais. Tem a missão de defender as famílias camponesas em busca da dignidade humana, terra para plantar e água de qualidade.

A água está ligada à dimensão da vida, é um elemento vivificador - gerador de vida, purificador – reconstrutor de vida, e simbólico do projeto de uma vida plena: traz perspectivas de um futuro de paz, alegria e segurança. Ela está presente em quase todas as religiões. Para algumas, a água é Deus ou Deus é água. Ela hoje é um elemento unificador de nossas lutas e de nossa fé (macro-ecumenismo).

O Dia Mundial da Água é comemorado em 22 de março, foi instituído em 1992 pela Organização das Nações Unidas. É uma data de mobilização, com o objetivo de refletir, discutir e buscar soluções contra a poluição, desperdício e escassez de água no mundo todo.

domingo, 21 de março de 2010

Pastorais sociais firmam parceria na área da saúde


Integrantes da Comissão Pastoral da Terra de Alagoas participaram de um encontro de integração na última quinta-feira (18.03) com a Pastoral da Criança, que ocorreu na sua sede situada no bairro do Sanatório. Teve como objetivo a troca de experiências sobre as atividades desenvolvidas na área da saúde.

A programação foi iniciada com a mística, teve palestras, entrega de cartilhas, leitura coletiva de textos, exibição de vídeos e debate.

A capacitação reuniu 14 trabalhadores rurais que fizeram um curso ministrado pela Associação Pachamama da Itália, e agora, terão o suporte técnico dos agentes pastorais que atuam nas cidades. O projeto ganha força e será expandido nos acampamentos do litoral norte e zona da mata, como: Margarida Alves II, Padre Allex Sander, Quilombo dos Palmares, Santa Maria Madalena, Bota Velha e Santa Cruz.

Essa foi a primeira de muitas ações que irão beneficiar as famílias camponesas, já que foi firmado o compromisso entres as duas pastorais para executar um trabalho na prevenção de doenças e também garantir as orientações necessárias para as mulheres sobre os cuidados com a gravidez e que possam contribuir para a redução da mortalidade infantil.

Confira os bastidores da atividade:



sábado, 20 de março de 2010

Camponeses terão que ir para outra área

Após dois dias de mobilização em Maceió, os representantes das 28 famílias camponesas estiveram ontem à tarde (19.03) em mais uma audiência na Vara Agrária de Maceió. Após muito desgaste e negociação, foi acertado que os agricultores voltassem para a Fazenda Boa Esperança, mas no dia 10 de abril serão transferidas para a Fazenda São Félix, também localizada no município de Major Izidoro.

Outros acordos foram firmados como:

1. O INCRA fará o levantamento sobre a lavoura, criação de animais e dos trabalhos (reforma de cercas, reforma das casas, etc.);

2. O Deputado Benedito de Lira se comprometeu em indenizar as famílias que trabalharam nas suas terras a convite do seu próprio filho;

3. A vistoria na Faz. São Felix deve ser feita em 15 dias, as famílias são irão para lá quando o laudo estiver pronto;

4. Após a liberação da nova área para plantar e criar, a Ouvidoria Agrária dará 15 tubos de lona para construção de infraestrutura para o abrigo das famílias e criatórios. Além de um trator para arar a terra, pois este trabalho já tinha sido realizado na Faz. Boa Esperança.

A reintegração é condicionada à entrega do laudo de vistoria e também que o proprietário da São Félix assine o Termo de Oferta da área para o INCRA. Só assim, terá a saída pacífica das famílias da Faz. Boa Esperança.

As famílias tiveram que aceitar as propostas, pois não têm para onde ir e também devido ao comprometimento estadual e federal onde afirmaram que eles não perderão a produção realizada no local.

sexta-feira, 19 de março de 2010

FAO distribuirá no Haiti sementes doadas pelo Brasil

Doze toneladas de sementes de milho da espécie BR 106 foram entregues nesta sexta-feira (19) ao Haiti. Este é o primeiro carregamento de um total de 36 toneladas de sementes de milho que serão enviadas ao país por meio de uma colaboração entre o Governo do Brasil, que fez a doação, e o Governo do Haiti e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que distribuirão as sementes a pequenos agricultores numa ação conjunta.

O transporte aéreo das 36 toneladas de sementes de milho deverá concluir no sábado ( 21) e, em seguida, o Brasil enviará outras 36 toneladas de sementes de feijão caupi BRS Guariba ao Haiti. Ambas as sementes básicas foram produzidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) que possui um histórico de cooperação com aquele país, em especial, em parceria com a ABC.

Esse esforço será completado com o envio de outros 200 quilos de sementes variadas de hortaliças, entre cenoura, feijão-de-vagem, pepino, repolho, alface, abóbora, abobrinha e couve doadas pela Embrapa, Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Hortivale e BioNatur.

“O Ministério de Agricultura do Haiti e a FAO vão distribuir as sementes a pequenos agricultores para a temporada de plantio que vai de março a maio e responde por 60% do total da produção anual de alimentos no país”, disse o Representante Regional da FAO para América Latina e Caribe, José Graziano da Silva.

Javier Escobedo, coordenador interino de Emergências de FAO no Haiti e ex-coordenador regional de Emergências na América Latina e Caribe, explicou a importância das sementes.

“Logo após o terremoto, praticamente todas as sementes que haviam no país foram consumidas por causa da falta de alimentos. Por isso, a distribuição de sementes é imprescindível para garantir a próxima colheita”, disse Escobedo.

A distribuição será feita a agricultores nos municípios de Leogane, Grand Goave, Petit Goave, Jacmel e Gressier. Nos próximos meses, a FAO e o Ministério de Agricultura do Haiti planejam distribuir mais de 1500 toneladas de sementes, fertilizantes e outros insumos a agricultores de todo o país, comprados com recursos da Bélgica, Brasil, Fundo Central de Respostas de Emergência (CERF) da Organização das Nações Unidas.

Produtividade das sementes de milho pode superar seis toneladas por hectare

As sementes de milho e de feijão que serão enviadas ao Haiti foram produzidas e doadas pela Embrapa, numa ação que conta ainda com o apoio da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores e da Força Aérea Brasileira.

"A solidariedade está acima de tudo. A Embrapa tem conhecimento em agricultura tropical, se excedeu em melhoramento genético e, assim compartilha esse conhecimento com os irmãos haitianos. Estamos alinhados à política do governo federal, atuando junto aos países do eixo Sul-Sul, cooperando para combater a fome e a pobreza", afirmou o diretor-presidente em exercício da Embrapa, Geraldo Eugênio de França.

De acordo com o gerente geral da Embrapa Transferência de Tecnologia, Ronaldo Pereira de Andrade, a espécie BR 106 já foi testada em área experimental do Haiti e em condições reais de lavoura. Sua produtividade no país pode superar as seis toneladas por hectare.

No Brasil, o milho BR 106 é tem enorme aceitação junto aos pequenos produtores brasileiros, especialmente porque, sendo uma variedade básica, permite a eles produzirem sua própria semente.

Duas toneladas de milho da variedade catingueiro e duas toneladas de milho sol da manhã também serão enviadas ao Haiti para que FAO e Embrapa possam testar sua adaptabilidade com os agricultores do país.

Trabalhando pela reconstrução do Haiti

Também como apoio imediato aos agricultores haitianos, a FAO já entregou ferramentas para que os pequenos produtores possam limpar os canais de irrigação e distribuiu 10 mil carrinhos de mão, enxadas, machados e pás.

Essas ações fazem parte de uma estratégia elaborada pelo Ministério da Agricultura do Haiti com apoio da FAO, Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e de outras agências que trabalham na área de desenvolvimento agrícola, para a reabilitação do setor agrícola do país, devastado pelo terremoto em 12 de janeiro.


Mais informações:
Sitio web da FAO sobre a reconstrução pós-terremoto do Haiti: http://su.pr/8nDTJk
Embrapa: www.embrapa.br
Representação da FAO no Brasil: http://su.pr/5nnS6C
Ministério das Relações Exteriores – Operação Haiti: http://www.haiti.mre.gov.br/

Bastidores - mobilização dos agricultores sertanejos

Fotos tiradas por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT

Confira as imagens da negociação em Maceió para a suspensão da reintegração de posse da propriedade rural Boa Esperança, que possui várias irregularidades. Atualmente, 28 famílias camponesas moram na Fazenda há dois anos transformaram a área em produtiva, com o cultivo de alimentos livres de agrotóxicos e a criação de pequenos animais.

Esperando a audiência com o Ouvidor Agrário Nacional e demais autoridades.

Coordenadores da CPT conversam com os trabalhadores rurais.

A imprensa esteve presente e abordou o drama das famílias que foram convidadas para morar na fazenda e agora serão expulsas.





Crianças e adultos rezam e cantam antes da audiência.




O coordenador estadual da CPT, Carlos Lima e a advogada Lana Mendes Costa.

Gercino Filho, Ouvidor Agrário Nacional, observa as imagens da produção agrícola e a criação de animais na área.




Hora do almoço - produzido pelas camponesas.





Repor as energias para enfrentar as rodadas de negociação.

Cansaço e esperando o retorno das atividades.

A audiência recomeça, depois das autoridades ouvirem o filho do proprietário da Fazenda Boa Esperança, Deputado Estadual Arthut Lira.

Camponeses relatam as ameaças e a dor de não ter para onde ir.

Permanece a esperança e a tristeza no olhar de todos.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Deputado quer a saída imediata dos camponeses


Texto e foto: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL


Há duas horas, estão conversando com portas fechadas o Deputado Estadual Artur Lira (PP/AL), o Ouvidor Agrário Nacional Gercino Filho e as demais autoridades no prédio da Vara Agrária em Maceió.

A nova proposta que foi divulgada para os trabalhadores rurais, é a transferência imediata das famílias camponesas para outra propriedade, a fazenda São Félix, que possui 460 hectares e também está situada no município de Major Izidoro, no sertão alagoano.

Os trabalhadores afirmam que vão resistir, e acham injusta a desocupação após terem passado várias dificuldades no local. Também porque estão produzindo alimentos livres de agrotóxicos e criando animais durante esses dois anos acampados.

Ouvidor Agrário Nacional tem audiência com camponeses

Várias autoridades estiveram na Vara Agrária em Maceió para obter mais detalhes sobre as irregularidades da Fazenda Boa Esperança em Major Isidoro



Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL



Na manhã desta quarta-feira (17.03), os 60 agricultores sertanejos que tem o apoio da Comissão Pastoral da Terra em Alagoas foram até a Vara Agrária para uma audiência especial com o Ouvidor Agrário Nacional, Gercino Filho. O encontro serviu para relatar todas as irregularidades na Fazenda Boa Esperança em Major Izidoro, cujo proprietário é o Deputado Federal, Benedito de Lira (PP/AL), e as intimidações que as 28 famílias estão enfrentando.

Antes de iniciar o diálogo os agricultores rezaram, cantaram as músicas da luta camponesa e gritaram palavras de ordem, também foram exibidas imagens sobre a produção que eles vêm fazendo na área. Em seguida, foram divulgados os primeiros encaminhamentos para resolver a situação do caso: primeiro sobre o aumento de mais 60 dias para o Incra concluir o processo administrativo, e também, a saída das famílias para fazendas localizadas em outros municípios como Igaci, Traipú e Craíbas.

A Coordenação da CPT discordou da proposta oferecida pelas autoridades, mas afirma que irá respeitar a decisão dos trabalhadores após as rodadas de negociação. “A gente não pode abrir mão de uma propriedade que deve ao Banco do Nordeste, é improdutiva e ainda tem crime ambiental. Na verdade é uma questão de princípio e de honra por essa mobilização que é realizada até agora”, afirmou Carlos Lima, coordenador estadual.

As famílias camponesas foram morar no local a convite do filho do próprio proprietário, o Deputado Estadual Arthur Lira (PP/AL). Atualmente, estão plantando milho, fava, feijão, mandioca, abóbora, palma, tomate, alface, cebola e coentro; também possuem uma pequena criação de ovelha, cabra, porco e galinha. “Não é justo sair das terras, quando fomos para lá estava tudo abandonado. Se eles podem dar uma outra fazenda, porque não podemos ficar onde já moramos e produzimos? Já estamos lá há dois anos, e agora a nossa luta não vale nada?!”, questionou a agricultora Fábia Melo.

Dentre as autoridades que estiveram presentes, destacam-se: Claudio Rodrigues Braga, Presidente Nacional da Comissão de Ética do Ministério de Desenvolvimento Agrário; a Procuradora Federal, Auzineide Wallraf; o Juiz do Fórum Agrário de Alagoas, Ayrton Tenório; o Superintendente do Incra/AL, Gilberto Coutinho; Marcos Bezerra, Ouvidor Agrário Estadual; o Promotor Agrário Tácito Yuri; o Padre José da Silva, de Major Isidoro e coordenador das pastorais sociais - regional II; além de policiais militares do Gerenciamento de Crises e a advogada Lana Mendes Costa que representa as famílias camponesas.

Por volta das 14h terá uma nova audiência no prédio, desta vez, entre as autoridades e o filho do proprietário do imóvel rural, o Deputado Estadual Arthur Lira. Ele ouvirá as propostas das autoridades e o posicionamento dos trabalhadores rurais, que ainda permanecem no local.