quarta-feira, 17 de março de 2010

Ouvidor Agrário Nacional tem audiência com camponeses

Várias autoridades estiveram na Vara Agrária em Maceió para obter mais detalhes sobre as irregularidades da Fazenda Boa Esperança em Major Isidoro



Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL



Na manhã desta quarta-feira (17.03), os 60 agricultores sertanejos que tem o apoio da Comissão Pastoral da Terra em Alagoas foram até a Vara Agrária para uma audiência especial com o Ouvidor Agrário Nacional, Gercino Filho. O encontro serviu para relatar todas as irregularidades na Fazenda Boa Esperança em Major Izidoro, cujo proprietário é o Deputado Federal, Benedito de Lira (PP/AL), e as intimidações que as 28 famílias estão enfrentando.

Antes de iniciar o diálogo os agricultores rezaram, cantaram as músicas da luta camponesa e gritaram palavras de ordem, também foram exibidas imagens sobre a produção que eles vêm fazendo na área. Em seguida, foram divulgados os primeiros encaminhamentos para resolver a situação do caso: primeiro sobre o aumento de mais 60 dias para o Incra concluir o processo administrativo, e também, a saída das famílias para fazendas localizadas em outros municípios como Igaci, Traipú e Craíbas.

A Coordenação da CPT discordou da proposta oferecida pelas autoridades, mas afirma que irá respeitar a decisão dos trabalhadores após as rodadas de negociação. “A gente não pode abrir mão de uma propriedade que deve ao Banco do Nordeste, é improdutiva e ainda tem crime ambiental. Na verdade é uma questão de princípio e de honra por essa mobilização que é realizada até agora”, afirmou Carlos Lima, coordenador estadual.

As famílias camponesas foram morar no local a convite do filho do próprio proprietário, o Deputado Estadual Arthur Lira (PP/AL). Atualmente, estão plantando milho, fava, feijão, mandioca, abóbora, palma, tomate, alface, cebola e coentro; também possuem uma pequena criação de ovelha, cabra, porco e galinha. “Não é justo sair das terras, quando fomos para lá estava tudo abandonado. Se eles podem dar uma outra fazenda, porque não podemos ficar onde já moramos e produzimos? Já estamos lá há dois anos, e agora a nossa luta não vale nada?!”, questionou a agricultora Fábia Melo.

Dentre as autoridades que estiveram presentes, destacam-se: Claudio Rodrigues Braga, Presidente Nacional da Comissão de Ética do Ministério de Desenvolvimento Agrário; a Procuradora Federal, Auzineide Wallraf; o Juiz do Fórum Agrário de Alagoas, Ayrton Tenório; o Superintendente do Incra/AL, Gilberto Coutinho; Marcos Bezerra, Ouvidor Agrário Estadual; o Promotor Agrário Tácito Yuri; o Padre José da Silva, de Major Isidoro e coordenador das pastorais sociais - regional II; além de policiais militares do Gerenciamento de Crises e a advogada Lana Mendes Costa que representa as famílias camponesas.

Por volta das 14h terá uma nova audiência no prédio, desta vez, entre as autoridades e o filho do proprietário do imóvel rural, o Deputado Estadual Arthur Lira. Ele ouvirá as propostas das autoridades e o posicionamento dos trabalhadores rurais, que ainda permanecem no local.

Nenhum comentário: