quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Alagoas pretende atingir 100 mil votantes no Plebiscito Popular


A Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade da Terra é uma iniciativa do Fórum Nacional pela Reforma Agrária em parceria com movimentos do campo e da cidade


Por: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL


De 1° a 07 de setembro, na Semana da Pátria, ocorrerá em todo o Brasil o Plebiscito Popular pelo Limite da Propriedade da Terra. A mobilização é uma iniciativa do Fórum Nacional pela Reforma Agrária em parceria com movimentos rurais, pastorais sociais, sindicatos e faculdades, que buscam conscientizar a sociedade brasileira sobre a inclusão na Constituição Federal de um novo inciso que limite às propriedades rurais em 35 módulos fiscais, e as áreas que detém um tamanho superior, seriam automaticamente incorporadas ao patrimônio público.

O Brasil tem a segunda maior concentração da propriedade fundiária do planeta. De acordo com os últimos dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) em 2006, 2,8% das propriedades rurais no Brasil são de latifúndios e ocupam mais da metade de extensão territorial agricultável do país (56,7%). Enquanto isso, as pequenas propriedades representam 62,2% dos imóveis e ocupam apenas 7,9% da área total.

Para votar, basta apenas ter no mínimo 16 anos e apresentar um documento de identificação e responder duas perguntas: "Você concorda que as grandes propriedades de terra no Brasil devem ter um limite máximo de tamanho?" e "Você concorda que o limite das grandes propriedades de terra no Brasil possibilita aumentar a produção de alimentos saudáveis e melhorar as condições de vida no campo e na cidade?". As duas opções de voto são: sim ou não.

A meta é atingir 100.000 votantes em todo o estado de Alagoas, que possuem grandes concentrações de terras dominadas por 24 famílias. As urnas estarão espalhadas em todos os acampamentos e assentamentos que são acompanhados pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e do Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST). Também serão disponibilizadas em paróquias e na Igreja Batista do Pinheiro; campus universitários de Maceió, Arapiraca, Palmeira dos Índios e Penedo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal); no campus da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal) em União dos Palmares; além de espaços públicos e feiras livres de outros municípios como: Senador Rui Palmeira, São José da Tapera, Inhapi, Palestina, Delmiro Gouveia, Maravilha, Joaquim Gomes, Ouro Branco, Piranhas, Cacimbinhas, Poço das Trincheiras, Maragogi, Porto Calvo, Japaratinga, Pão de Açúcar, Igaci, Major Isidoro, Belo Monte e Jacaré dos Homens.

A comissão organizadora alagoana é composta pela Central Única dos Trabalhadores, CPT, MST, MLST e os sindicatos dos Urbanitários, dos policiais civis (Sindpol) e dos trabalhadores da Educação (Sinteal). A apuração nacional acontecerá no dia 27 de setembro e a divulgação dos resultados no dias 28 e 29 deste mês.

Nenhum comentário: