sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Camponeses vinculados à CPT participam da Feira Agrária

A solenidade de abertura da Feira da Reforma Agrária promovida pelo MST-AL contou com a presença de várias autoridades


Texto e fotos: Helciane Angélica


Teve início na quarta-feira e segue até o dia 12 de setembro na Praça da Faculdade em Maceió, a 11ª Feira da Reforma Agrária que é promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Assim como a Feira Camponesa da Comissão Pastoral da Terra (CPT), tem como principais objetivos: ampliar o escoamento da produção campesina e desmitificar a imagem negativa que muitas pessoas têm em relação aos sem-terra.

Como de costume, existe a integração entre essas entidades que lutam pela reforma agrária e defendem os direitos das famílias camponesas, e alguns trabalhadores rurais de áreas acompanhadas pela CPT foram convidados para vender seus produtos e encontram-se distribuídos em quatro barracas.

Para o agricultor Heraldo Antônio da Silva, do assentamento Dom Helder Câmara em Murici, que faz parte há dez anos da CPT afirmou que vale muito a pena participar de outras feiras e já foi por três vezes à feira agrária. “Eu gosto de participar das nossas feiras [feira camponesa e itinerantes], das feiras livres nos municípios e as de outros movimentos. A luta é uma só, e tenho certeza que meus companheiros não ficam chateados se eu participar. E também porque é importante para mostrar o resultado do nosso trabalho para a população”, declarou.

Os camponeses vinculados à CPT estão comercializando: farinha, abóbora, inhame, macaxeira, laranja, banana, tapioca, beiju e pé de moleque. Além disso, a assentada Eliede Lino dos Santos do Assentamento Maria Madalena localizado em União dos Palmares instalou um pequeno restaurante camponês com refeições regionais (inhame, macaxeira, cuscuz, charque, guisado de boi, feijão tropeiro, galinha de capoeira, bisteca de porco, etc) por apenas por R$5. Essa é a primeira vez que ela participa desta feira e informou que não vai perder mais nenhum convite, pois desde a organização da infra-estrutura têm atraído muitos clientes.















Plebiscito

No local também encontra-se na barraca que vende os livros, está disponível uma urna do Plebiscito Popular pelo Limite da Propriedade da Terra que está ocorrendo em todo o Brasil. A atividade busca diminuir a grande concentração de terras e investir na soberania alimentar e territorial das famílias camponesas. A votação foi acontecerá até domingo.

Nenhum comentário: