sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Porto Calvo sedia 23ª Romaria da Terra e das Águas

Ao todo serão 11km de caminhada, da comunidade Manganzala até o Assentamento Conceição


Texto: Helciane Angélica - Jornalista / CPT-AL
Foto: Arquivo


A Comissão Pastoral da Terra de Alagoas (CPT-AL) em parceria com as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) realiza neste sábado (27.11) a 23ª Romaria da Terra e das Águas. Pela primeira vez acontecerá no município de Porto Calvo, distante 91km de Maceió, tem como tema central “Menos terra concentrada, mais famílias assentadas”, e ainda celebrará o lema “400 anos de evangelização: clamando por terra, água e pão”.

A manifestação de fé e resistência conta com o apoio da Arquidiocese de Maceió, Central Única dos Trabalhadores (CUT-AL) e da Paróquia Nossa Senhora da Apresentação. A concentração será às 20h, na comunidade Manganzala onde terão várias apresentações culturais e a Celebração da Santa Missa com a Liturgia do dia, que será presidida pelo Arcebispo Dom Antônio Muniz. Também terá a leitura das cartas da Romaria e da associação italiana Pachamama.

A partir da meia noite, iniciam os momentos reflexivos com os temas: “A Terra Mal repartida clama por Tua justiça” e “Terra Livre, Terra Mãe”, e a grande caminhada de 11 km com paradas estratégicas para aprofundar o tema central até ser concluída no Assentamento Conceição. Aproximadamente 5000 pessoas estarão presentes, dentre eles: trabalhadores(as) rurais, padres, religiosos(as), representantes de movimentos sociais, leigos e população local. No percurso, os romeiros e romeiras cantarão músicas já difundidas nas paróquias, que ressaltam a luta pela reforma agrária e por dignidade de filhos e filhas de Deus. No encerramento, terá o sorteio da bicicleta, benção final e o café da manhã de integração entre o campo e a cidade.

De acordo com o historiador e Coordenador da CPT, Carlos Lima, neste ano quando ocorreu o Plebiscito Nacional pelo Limite da Propriedade da Terra busca-se refletir sobre o processo de concentração da terra que surgiu como uma imposição colonial e é uma injustiça praticada em nosso país, criou-se um abismo social e a destruição da natureza (matas, rios e nascentes). Este duro golpe dado pelas elites contou e conta com o apoio de instituições, transformando a terra e as pessoas em mercadorias, preservando os patrimônios e desprezando o ser humano, além de ofender o Criador e a criação. O município de Porto Calvo é um dos antigos núcleos de povoamento, os indígenas foram os primeiros habitantes, que foram expulsos das suas terras e explorados, e a povoação cresceu em paralelo com a exploração da terra e o desenvolvimento do cultivo de cana de açúcar.


História

A fundamentação bíblica e teológica desta Romaria encontra-se no livro do êxodo, inspira-se na luta dos hebreus que movidos por Javé e liderados por Moisés rompem com a escravidão no Egito e saem numa grande romaria rumo a Terra Prometida, aonde corria leite e mel. É um espaço que reúne os escravizados pelo latifúndio e pelas cercas, que são privados do direito sagrado de ter um pedaço de chão para produzirem alimentos, assim como, é também o momento de agradecer ao Senhor da vida a alegria de ter conseguido, com muita luta, um lote de terra para plantar. Por doze anos, ocorreu na Serra da Barriga em União dos Palmares – símbolo de resistência, igualdade racial e luta pelo território. No ano passado, aconteceu na capital alagoana e fez parte da programação celebrativa dos 25 anos da CPT no Estado.



Mais informações: (82) 9127-5773 / 9951-2624 / 9127-0366 / 8840-8479

Nenhum comentário: