sábado, 11 de dezembro de 2010

Feira Camponesa Itinerante agrada moradores


A feira foi realizada na praça em frente à Igreja e os produtos sertanejos foram os mais procurados


Texto e fotos: Helciane Angélica - Jornalista/CPT-AL


A quarta edição da Feira Camponesa Itinerante promovida pela Comissão Pastoral da Terra de Alagoas (CPT-AL), nos dias 10 e 11 de dezembro, atraiu vários moradores do Conjunto Santo Eduardo e de outros bairros, em busca dos produtos agroecológicos oriundos dos assentamentos Dom Helder Câmara (Murici), Todos os Santos e Nossa Senhora Conceição (ambos de Água Branca), Zumbi dos Palmares e Eldorado dos Carajás (ambos de Branquinha). A atividade aconteceu em frente à Igreja Católica Nossa Senhora da Assunção, e recebeu o apoio da Paróquia Senhor do Bomfim e da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (Cese).

Na Praça Jornalista Denis Agra tinham barracas padronizadas e uma casa de farinha. Foram vendidos pé de moleque, tapioca, beiju, doces caseiros, massa puba, farinha e alimentos livres de agrotóxicos, como: pimenta de cheiro, inhame, abóbora, feijão, feijão de corda, tomate, pimentão, chuchu, mamão, batata, abacaxi, banana, melancia, laranja, limão e maracujá.

O servidor público José Nivaldo mora no bairro do Farol e ficou sabendo da feira durante a missa no Conjunto Santo Eduardo, mas informou que sempre frequenta a tradicional Feira Camponesa na Praça da Faculdade e a Feira da Solidariedade realizada no primeiro sábado de cada mês em frente à Igreja São Gonçalo. “Os produtos são bons e os agricultores estão de parabéns. Os sem-terra têm que mostrar o valor da terra, eles querem terra e têm que produzir mesmo. Às vezes a gente vê muita confusão e tem alguns que querem a terra para negociar, e esses que participam das feiras mostram exatamente o contrário”, declarou.

Seis assentados do sertão trouxeram mais da metade dos produtos comercializados e que atraíram muitos clientes devido à diversidade. A agricultora Cilene dos Santos do Assentamento Nossa Senhora da Conceição, participou pela primeira vez deste formato itinerante e se mostrou animada por estar mostrando o trabalho da sua família. Sua barraca ficou repleta de produtos e ela disse que foi apenas 1/3 do que costuma trazer na feira maior, teve: galinha, ovos de capoeira, rapadura, vassoura de palha, fava, feijão preto, feijão de corda, bolo de massa puba, tamarindo, mel de engenho e de abelha, e outros.

 Dona Cilene trouxe o filho adolescente para ajudar na venda dos produtos


A engenheira agrônoma e coordenadora da equipe técnica que acompanha as famílias camponesas, Heloisa Amaral, declarou que as feiras camponesas itinerantes estão sendo executadas em bairros de Maceió que não possuem feiras livres. “Aqui, a população tem um contato direto com os agricultores e podem comprar alimentos de qualidade e da época. São frutas e verduras que não precisam de produtos químicos para amadurecer rapidamente. A aceitação dos moradores está cada vez melhor, e em 2011, pretendemos realizar de dois em dois meses, e felizmente, muitas propostas de locais estão surgindo”, afirmou.

Nenhum comentário: