quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Arquidiocese lançará nota pública de apoio às famílias sem terra ameaçadas de despejo


A ação acontecerá no sábado durante a Feira da Esperança e da Solidariedade, que ainda terá a caminhada em homenagem à Pessoa Idosa e Santa Missa


Por:  Helciane Angélica - jornalista/CPT-AL


Neste sábado (05.02) das 6h às 9h, acontecerá a Feira da Esperança e da Solidariedade, a primeira edição do ano de 2011. É promovida pela Arquidiocese de Maceió, sempre no primeiro sábado de cada mês, em frente à Igreja São Gonçalo no bairro do Farol em Maceió. Os fiéis e moradores das adjacências acordam logo cedo para prestigiar a missa celebrada pelo Arcebispo e depois adquirem produtos diversos na feira.

Terão várias barracas das pastorais sociais no local, e a Comissão Pastoral da Terra de Alagoas reafirma seu compromisso social, comercializando alimentos livres de agrotóxicos oriundos das áreas de reforma agrária. Nesta edição, terá duas barracas: uma coordenada pela acampada Dona Edileusa Santana e a outra pelas educadoras do campo que estão captando recursos financeiros para viabilizar o projeto sócio-cultural "Cultivando música, cultivando arte, cultivando a vida camponesa", aprovado no Programa Ação para Crianças da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), assim como, para garantir melhorias nas escolas itinerantes.

As educadoras que atuam na CPT-AL irão vender abóbora, macaxeira, melancia, banana, farinha de mandioca, galinha de capoeira, mel do sertão e hortaliças (couve, coentro, cebolinha, maxixe, quiabo, alface). Os produtos foram doados por agricultores dos assentamentos Pe. Emílio April (União dos Palmares), Santa Maria Madalena (União dos Palmares) e Rio Bonito (Flexeiras); e dos acampamentos Bota Velha e Santa Cruz, ambos localizados em Murici, áreas onde as famílias camponesas estão sendo ameaçadas de despejo.

A agricultora Edileusa Santana mostrará o resultado do seu trabalho no campo. Moradora do Acampamento Bota Velha há 10 anos, ela vive com as filhas e o marido, sobrevive da agricultura de subsistência e tem uma pequena criação de animais como galinhas e ovelhas. Toda semana, junta a produção agroecológica excedente e sai por volta das 5h para comercializar na feira livre de Murici. Agora, o sonho de ter o pedaço de terra começa a se desmoronar para ela e mais 101 famílias camponesas, devido à reintegração de posse concedida pela Vara Agrária prevista para o dia 21 de fevereiro, que quer retirar desta área pequenos produtores rurais que já vivem em comunidade, e poderia ser transformada em assentamento: tem escola, capela, casa de farinha, açude, casas com energia elétrica e boa produção.

Durante a programação, o Arcebispo Dom Antônio Muniz irá se pronunciar quanto aos despejos realizados em vários acampamentos dos movimentos rurais, inclusive da CPT-AL, somente no mês de janeiro foram retiradas cerca de 200 famílias camponesas de terras consideradas improdutivas. A Arquidiocese de Maceió lançará oficialmente uma nota pública em solidariedade aos sem terra, que estão produzindo há mais de cinco anos nas áreas.


CAMINHADA

No sábado também terá a caminhada "De bem com a vida" promovida pela Pastoral da Pessoa Idosa, com o tema: “Entretanto, preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã” (Lc 13,33). A atividade será em comemoração ao Ano da Pessoa Idosa, com concentração prevista para às 5h30 em frente ao Colégio Sacramento no bairro do Farol, encerrando na Igreja São Gonçalo.

Nenhum comentário: