sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Livro "Terra e Pastoral em Alagoas" é lançado na Feira Camponesa


Foi lançado ontem, 16, às 19 horas, durante a programação da 21ª Feira Camponesa, o livro “Terra e Pastoral em Alagoas: Conflitos e Liberdade”. Produzido pela Comissão Pastoral da Terra e pelo Grupo Terra, a obra retrata a história da luta campesina em Alagoas.

A solenidade de lançamento reuniu trabalhadores do campo e da cidade, sindicalistas, movimentos sociais e representantes de partidos políticos. Com cantos da luta pela terra, o evento trouxe relatos dos camponeses e dos organizadores do editorial.

“Sou analfabeto, mas faço história. O que tem nesse material vai ficar registrado para sempre”, afirmou José Feliciano, o Saúba. A luta pela terra enfrentada por ele e mais 5 camponeses e camponesas representam a trajetória da CPT em Alagoas e dão base para o conteúdo do livro.

Stella Lameira, diretora da Edufal, disse estar orgulhosa que a obra tenha sido publicada pela editora. “Eu tenho um carinho especial por esse livro, principalmente porque os camponeses, organizados pela CPT, ocuparam as terras em Água Branca que pertenciam a minha família. Meu avô, se estivesse vivo, teria muito orgulho em saber que a Fazenda se transformou no Assentamento Todos os Santos e representa uma vida digna para mais de 100 pessoas que lá vivem”, afirmou Stella, destacando que a luta de Maria Bobó, assentada nesse acampamento, está escrita no livro.


O evento foi encerrado com uma farta mesa de comidas camponesas e a sessão de autógrafos com os autores.

Confira as fotos.







quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Programação cultural encerra o primeiro dia da 21ª Feira Camponesa

Lançamento do livro “Terra e Pastoral em Alagoas” será o destaque da segunda noite




Com muito forró e alegria, foi encerrado o primeiro dia da 21ª Feira Camponesa. Centenas de pessoas assistiram ontem, 15 de outubro, na praça da Faculdade, as apresentações de Kleber Canto e Pinóquio do Acordeon. E de bônus, prestigiaram o teatro de bonecos Mamulengo Sururu.

A programação cultural, que começa sempre às 19 horas, se estende até a sexta-feira. O destaque de hoje, 16, será o lançamento do livro “Terra e Pastoral em Alagoas: Conflitos e liberdade”. Logo após, subirão ao palco da Feira Camponesa Guilla Gomes e Forró Nó Cego.

O Livro

A obra retrata a história da Comissão Pastoral da Terra em Alagoas a partir de depoimentos de camponeses e camponesas que lutam por uma vida melhor no campo. Assim como a luta pela democratização da terra, o livro é uma obra coletiva. Seus organizadores são: Luís Sávio de Almeida, Carlos Lima, Alessandra Timótio e Anke Nikolaus.


Para saber mais, leia a entrevista com o coordenador da CPT, Carlos Lima. 
(http://averdade.org.br/2014/10/democratizacao-da-terra-e-os-desafios-trabalho-pastoral/)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Abertura da 21ª Feira Camponesa celebra a fartura no campo


Hoje, 15 de outubro, a Praça da Faculdade foi ocupada com o melhor da produção camponesa no estado de Alagoas. A 21º Feira Camponesa já começou e trouxe aos maceioenses os frutos da Reforma Agrária.  

Para marcar o início da Feira, foi realizada na manhã de hoje, a solenidade de abertura que reuniu camponeses, camponesas, convidados e apoiadores da luta. Embalados por cantigas e cordéis, os membros da mesa saudaram a chegada de mais uma primavera farta de alimentos e alegria para o trabalhador(a) rural.

Marcos Bezerra, ouvidor do INCRA, relatou acompanhar a luta camponesa há anos e sua evolução. “Antes, nas mesas de negociação, o pessoal dizia que os camponeses não trabalhavam para impedir a Reforma Agrária. Hoje, com tanta produção, não tem como afirmar mais isso. Essa Feira mostra o quanto a reforma agrária dá certo”, disse o representante do INCRA.

Um exemplo de que a luta dá certo é André Gomes, que falou representando os assentados. “Morei em São Paulo num quarto de 3 metros quadrado com minha esposa e dois filhos. Voltei para Alagoas para não passar fome. Foi na luta pela terra que conquistei minha casa. Nunca sonhei em ter uma casa como a que tenho hoje, onde posso plantar e produzir. Não troco meu pedacinho de terra por nada nessa vida. E tudo graças à luta e à CPT”, afirmou André Gomes, do assentamento Todos os Santos, em Água Branca.

“A 21ª Feira tem um brilho especial. É muita fartura e diversidade. É possível ver no rosto dos agricultores(as) a alegria em trazer à Maceió um produto tão bonito e vistoso, fruto de seu trabalho e de sua luta por um país mais justo”, comemorou Heloísa Amaral, coordenadora da CPT responsável pela Feira.

Estiveram presentes no ato de abertura o Diretor do Sindicato dos Urbanitários, José Cícero, o Sil, e o representante do Governo de Alagoas, Claudionor Araújo.

Programação

Ainda hoje, a partir das 19 horas, na programação cultural da Feira, subirão ao palco Pinóquio do Acordeon e Kleber Canto. Amanhã, o destaque será o lançamento do livro “Terra e Pastoral em Alagoas: Conflito e liberdade”, também a partir das 19 horas. A Feira se estende até o sábado, 18 de outubro.

Confira os melhores momentos:










terça-feira, 14 de outubro de 2014

21ª Feira Camponesa começa amanhã



Camponeses e Camponesas vindos do Sertão, da Zona da Mata e do Litoral chegam à Maceió para a 21ª Edição da Feira Camponesa. O evento começa amanhã, 15 de outubro, e segue até o dia 18, na Praça da Faculdade. Sua abertura oficial está marcada para às 8 horas.

Com um café da manhã, o café camponês, a coordenação da Comissão Pastoral da Terra pretende dá o ponta pé de mais uma Feira de produtos da Reforma Agrária, reunindo os apoiadores do evento, a imprensa e, os maiores responsáveis pela a realização do evento, os(as) camponeses(as).

“Essa Feira será uma festa de alimentos saudáveis, cultura do campo e muita música no coração de Maceió”, afirma a agrônoma Heloísa Amaral, coordenadora da CPT responsável pelo evento. Já pela noite, Pinóquio do Acordeon e Kleber Canto encerrarão o dia com um show gratuito para a população maceioense.

Serviço:
21ª Feira Camponesa
Dias: 15 a 18 de outubro
Local: Praça Afrânio Jorge (Praça da Faculdade), Prado
Horário: das 6h às 23 h

“O conhecimento, o saber, é uma ferramenta importante para a transformação social”

Carlos Lima, coordenador regional da Comissão Pastoral da Terra, fala em uma entrevista exclusiva ao Jornal A Verdade sobre a luta pela democratização da terra, os desafios do trabalho da pastoral e o novo livro do movimento, que será lançado no dia 16 de outubro, durante a 21ª Feira Camponesa, na Praça da Faculdade.
A Verdade - A CPT e o grupo Terra estarão lançando o livro “Terra e Pastoral em Alagoas: Conflito e liberdade”. De que trata o livro?
CL – Do cotidiano de assentados (as) e acampadas (os) que entraram na luta pela terra em Alagoas. Homens e mulheres que deixaram um passado de sofrimento, de opressão e passaram a lutar e sonhar a partir da conquista ou da luta pela terra. Historia de vidas de gente empobrecidas pelo sistema capitalista, excluídas do acesso a terra. Gente que entende a terra como sinônimo de liberdade, de vida nova. O sentido da obra é abrir espaço para as falas dos acampados (as) e assentados (as).
A Verdade - A escolha de lançar o livro numa Feira de produtos da Reforma Agrária tem um significado especial?
CL – Sim, inclusive na obra, a Feira aparece como um espaço de luta e de conquistas dos camponeses e camponesas. O centro do livro são as entrevistas realizadas com 9 pessoas que vivem em acampamentos e assentamentos, algumas delas, são feirantes. São os testemunhos dessas pessoas que nos permite entender o conflito agrário em Alagoas e o serviço Pastoral da CPT.
A Verdade - Essa já é o segundo livro publicado pelo grupo. O primeiro foi lançado dentro de uma Bienal, um espaço marcado pelo academicismo. O movimento vai além do trabalho camponês?
CL – Sim. Defendemos um outro modelo de sociedade. Essa disputa passa pela democratização do uso e da posse da Terra, pela produção diversificada de alimentos, pela agroecologia, pelo acesso a educação, transporte e a saúde e, também, pela produção de conhecimento. Esse livro é uma parceria com um grupo de estudos e pesquisas sobre a questão da terra no Nordeste. É constituído por militantes, estudantes e professores ligados à discussão da questão agrária comprometidos com as lutas do povo. O conhecimento, o saber, é uma ferramenta importante para as transformações sociais que queremos. Ocupar uma bienal, com uma obra voltada para a questão agrária alagoana, guardadas as devidas proporções, equivale ocupar um latifúndio.
A Verdade - Conte-nos um pouco sobre a luta da CPT e sua história em Alagoas.
CL – Aqui, a CPT começou os trabalhos junto aos canavieiros e posseiros, organizando oposição sindical. Denunciado os ataques sofridos pelos assalariados da cana. Na Arquidiocese de Maceió, destacamos as atuações dos padres Luiz Canal e Aldo Giazzon, missionários italianos que atuaram em Colônia Leopoldina e Novo Lino. Da Irmã Carmem, da congregação da Assunção da Santa Virgem no município de Campestre. Padre Emilio April e irmã Leia em União dos Palmares. Esse inicio de trabalho, podemos afirmar que foi a primeira fase do trabalho da CPT. Padre Aldo e Luiz Canal tiveram que deixar o Estado para não serem assassinados. A segunda fase é na luta pela terra, no inicio da década de 1990 junto aos sem-terra, logo como apoio as ocupações organizadas pelo MST e depois contribuindo diretamente nas ocupações, tendo com marco a ocupação da fazenda Flor do Bosque, em 27 de novembro de 1998. Nesses anos, a Pastoral organizou as romarias da terra, o jejum da solidariedade, as feiras camponesas, as assembleias estaduais, encontro de jovens, de militantes.
A Verdade - Alagoas é um estado marcado pela concentração de terra, pela monocultura e pelo coronelismo. Como é desenvolver o trabalho da Pastoral entre os camponeses e camponesas no nosso Estado?
CL – Desafiante. Difícil. Estimulante. Alagoas é marcada pela destruição das matas, dos rios, do povo. Tudo em nome do açúcar e nas ultimas décadas pelo álcool. O estimulo vem da nossa fé em viver o evangelho perto dos pobres, dos excluídos, dos humilhados. Assim a nossa missão em Alagoas é acompanhar e ajudar nas lutas das famílias camponesas, sejam semterra ou assentadas. Temos agora uma conjuntura eclesial favorável, o Papa Francisco que exigem que a Igreja fique o mais perto dos pobres.
A Verdade - Os grandes meios de comunicação criminalizam os movimentos sociais, principalmente o movimento semterra. A que você credita essa perseguição à luta do povo?
CL – Quem são os donos desses meios de comunicação? A quem eles estão ligados politicamente? Se respondermos essas duas perguntas, facilmente entenderemos a opção pela criminalização dos movimentos sociais, dos que resistem ao modelo. O que está em jogo é o modelo de produção. O interesse de um usineiro não é o mesmo de um semterra. Criminalizar, demonizar são formas de impedir que uma luta justa e legitima, como a do acesso e uso da terra, atraia para sua trincheira setores da sociedade.
A Verdade - O congresso nacional possui uma grande bancada ruralista, reeleita em sua maioria, que dificultam a democratização das terras e também dos meios de comunicação. O que se pode esperar para o próximo período?
CL – Luta, muita luta. Precisamos ressignificar a reforma agrária, buscar outros elementos de dialogo com a sociedade. Amolar as velhas ferramentas, mas, acima de tudo, buscar novas formas. O governo é refém do agronegócio, a bancada ruralista, que cresceu nas ultimas eleições cerca de 30%, vai vir ainda mais forte. Perdemos nos últimos anos aliados históricos da luta pela Terra. Precisamos retomar o dialogo, colocando a luta pela reforma agrária na pauta da sociedade e, assim forçar o governo a realizar a reforma agrária.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Pré-Romaria é realizada em homenagem à Nossa Senhora Aparecida



12 de outubro, dia dedicado à padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, foi realizada a Pré-Romaria da Terra e das Águas, na cidade de Jacuípe/Alagoas. A atividade faz parte da programação que antecede a 27ª Romaria da Terra e das Águas da Arquidiocese de Maceió, prevista para os dias 8 e 9 de novembro, também em Jacuípe.

Aproximadamente 200 pessoas participaram da caminhada que se iniciou na Igreja Matriz – São Caetano de Thiene -  e seguiu até a comunidade de Canafístula. Foram 7 km com a presença de crianças, jovens, adultos e idosos.

Conduzidos pelo padre Jeronimo, os fiéis completaram o percurso bastante animados, cantando e rezando em Romaria. Em Canafístula, a Santa Missa foi realizada na capela dedicada à Nossa Senhora das Graças. Ao final, já à noite, a comunidade cristã compartilhou um lanche.

Preparação

As atividades preparatórias tiveram início no dia 14 de setembro, dia da Santa Cruz, quando a paroquia recebeu a “cruz sem males”, símbolo da Romaria, e que vai permanecer na cidade até o mês de fevereiro de 2015, quando será levada para o município que sediará a 28ª Romaria da Terra e das Águas.


A segunda atividade foi um encontro com o historiador Luiz Sávio de Almeida, que falou sobre a importância da luta dos Cabanos em Alagoas. A última atividade antecessora da romaria é a realização dos encontros que constam no subsidio do evento. Esse é um momento de preparar a comunidade para uma participação consciente na romaria.

CPT prepara maior Feira Camponesa do ano


Feira trará para Maceió alimentos saudáveis, casa de farinha, lançamento de livro e muita cultura do campo!

A 21ª Feira Camponesa está chegando. De 15 a 18 de outubro, a Praça da Faculdade receberá a maior Feira de alimentos agroecológicos do ano organizada pela Comissão Pastoral da Terra. Mais de 100 camponeses e camponesas comercializarão produtos da Reforma Agrária no coração de Maceió.

A novidade dessa Feira é o lançamento do livro “Terra e Pastoral em Alagoas: Conflito e liberdade”. Publicado pela Edufal e com lançamento marcado para o dia 16, às 19 horas, a obra conta a história de luta da CPT em Alagoas a partir dos relatos dos camponeses que lutam por uma vida digna no campo alagoano.

Para Carlos Lima, coordenador da CPT e um dos organizadores do livro, o lançamento, em plena a Feira Camponesa, é muito simbólico. “A Feira aparece na obra como um espaço de luta e de conquistas dos camponeses e camponesas. Faz parte da história dessa gente, empobrecida pelo sistema capitalista, mas que entende a terra como sinônimo de liberdade, de vida nova”, descreve Lima.

Multiplicidade

Os assentados e acampados do litoral, da zona da mata e do sertão estão trazendo o melhor de seus frutos e de sua cultura para a 21ª edição da Feira. Nos quatro dias de evento, será possível encontrar uma grande variedade de gêneros alimentícios, produzidos sem agrotóxicos, a tradicional casa de farinha e muita música.

Todas as noites, o forró e o MPB animarão a festa. O disputado bingo do carneiro também está confirmado para a noite de sexta. A programação cultural é gratuita e começa sempre a partir das 19 horas.

Outra atração será o Restaurante Camponês, oferecendo a melhor comida regional. “Teremos uma grande diversidade de produtos tanto para levar para casa, como também para consumir no próprio local. O restaurante camponês trará a galinha de capoeira, o carneiro, a carne de sol, acompanhado sempre do inhame, da macaxeira e do cuscuz. Alimentos tipicamente do campo para a gente se deliciar”, disse Heloísa Amaral, coordenadora da CPT responsável pelo evento.

Preços baixos

Outro atrativo das Feiras Camponesas é o preço. Com a venda é direta, do produtor ao consumidor, os valores dos produtos são bem menores do encontrado nos supermercados. “Não há a figura do atravessador, por isso um valor tão competitivo por um alimento de qualidade. E ainda, há a pechincha que deixam os fregueses sempre satisfeitos”, concluiu Heloísa convidando à população Maceioense para conferir e prestigiar.

Serviço:

21ª Feira Camponesa
Dias: 15 a 18 de outubro
Local: Praça Afrânio Jorge (Praça da Faculdade), Prado
Horário: das 6h às 23 h

Programação Cultural

15/10 - Quarta-Feira
19h - Kleber Canto
20h30 - Pinóquio do Acordeon

16/10 - Quinta-Feira
19h - Lançamento do Livro Terra e Pastoral em Alagoas: Conflito e Liberdade
20h – Forró Nó Cego
21h30 - Guila Gomes

17/10 - Sexta-Feira
19h- Gustavo Gomes
20h30 - Bingo do Carneiro

21h- Pinóquio do Acordeon

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Convite: Lançamento do livro Terra e Pastoral em Alagoas


O Grupo Terra e a Comissão Pastoral da Terra convidam para o lançamento do livro Terra e Pastoral em Alagoas: Conflito e Liberdade. 

Dia 16 de outubro, na Praça da Faculdade, as 19h, na Feira Camponesa.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Vem aí a 21ª Feira Camponesa



A CPT prepara a maior Feira Camponesa do ano!


De 15 a 18 de outubro, na Praça da Faculdade, os camponeses e camponesas vão trazer um pedaço do campo para o coração de Maceió. 
Participe!



Confira nossa Programação Noturna:

15/10 - Quarta-Feira
19h - Kleber Canto 
20h30 - Pinóquio do Acordeon

16/10 - Quinta-Feira
19h - Nó Cego 
20h30 - Lançamento do Livro da CPT
21h - Guila Gomes

17/10 - Sexta-Feira
19h- Gustavo Gomes
20h30 - Bingo do Carneiro
21h- Pinóquio do Acordeon