quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Há 10 anos era assassinada Irmã Dorothy Stang

Nos 10 anos que se seguiram à morte de Irmã Dorothy a situação permanece praticamente inalterada. De 2005 a 2014, o número total de assassinatos no campo diminuiu. Foram 334. O Pará, porém, concentrou 118 das mortes, 35,3%. Das 548 tentativas de assassinato, 165 aconteceram no Pará. Das 2.118 das pessoas ameaçadas de morte, 617 viviam no Pará.



(Artigo publicado no jornal Correio Braziliense - 12/02/2015)

 

Em 12 de fevereiro de 2005, o Brasil foi surpreendido pela notícia do assassinato da Irmã Dorothy Stang, missionária americana que atuava junto aos camponeses e camponesas do Projeto de Desenvolvimento Sustentável Esperança (PDS Esperança), no município de Anapu, Pará.

A apresentação do Conflitos no Campo Brasil 2004, publicação anual da Comissão Pastoral da Terra lançada em 2005, pouco tempo depois desta morte, registrou: “Este assassinato provocou uma gigante onda de indignação nacional e internacional. Qual um verdadeiro tsunami, esta tragédia atingiu o Planalto Central, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal. Tomou conta das redações dos jornais e dos estúdios das TVs e das rádios. E seus abalos se sentiram em todo o mundo. A morte de Irmã Dortohy Stang irrompeu com a força da ressurreição. Sua ação, humilde e desconhecida, pequena e quase isolada, multiplicou-se por todos os cantos do Brasil, conquistando corações e mentes e ganhou as dimensões do mundo e do tempo.”

Na ocasião, Dom Erwin Kräutler, bispo da Prelazia do Xingu, à qual a irmã pertencia, e dom Tomás Balduino, presidente da CPT, emitiram nota de indignação na qual denunciavam “o crime organizado na região, com o envolvimento de autoridades e da polícia do governo estadual, na corrida e na disputa pelo domínio, a qualquer preço, daquela área de total desordem fundiária.” Denunciavam ainda a impunidade dos crimes cometidos contra os lavradores. E citavam que nos 20 anos, de 1985 a 2004, a CPT havia registrado 1.379 mortes no campo, destes 523 ocorreram no Pará, 37,9%, dos quais foram a julgamento 10 casos, com a condenação de cinco mandantes e oito executores.

Nos 10 anos que se seguiram à morte de Irmã Dorothy a situação permanece praticamente inalterada. De 2005 a 2014, o número total de assassinatos no campo diminuiu. Foram 334. O Pará, porém, concentrou 118 das mortes, 35,3%. Das 548 tentativas de assassinato, 165 aconteceram no Pará. Das 2.118 das pessoas ameaçadas de morte, 617 viviam no Pará.

A punição dos responsáveis pelo assassinato da missionária não foi exemplar, como prometido. O fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão condenado a 30 anos de prisão, aguarda em liberdade o julgamento de recursos nos tribunais superiores. Seu sócio, nos negócios e no crime, Vitalmiro Bastos de Moura, após ter seu julgamento repetido por três vezes, cumpre pena no regime semiaberto. Amair Feijoli teve o benefício da prisão domiciliar tão logo saiu do regime fechado. Clodoaldo Batista, coautor do crime, foi autorizado a passar alguns dias fora da cadeia e não mais retornou para cumprir o restante da pena. Raifran das Neves, o executor dos disparos, logo que foi beneficiado com o regime  semiaberto, retomou sua profissão de pistoleiro, participando de outros assassinatos por encomenda no Pará. Outros fazendeiros que, certamente, participaram da decisão de mandar matar Dorothy nunca foram investigados. A impunidade continua sendo uma das principais causas da violência no campo no Brasil, principalmente, no estado do Pará.

Dorothy continua sendo lembrada. Diversas comemorações, em diferentes localidades de nosso País, trazem a presença do martírio desta mulher que, mesmo sabendo estar ameaçada (em 2004 recebera mais de uma ameaça), não arredou pé de junto do povo com quem dividia alegrias e esperanças, tristezas e dores. Para defender o direito dos camponeses e a preservação da floresta Amazônica, não teve dúvida em colocar em risco sua própria vida.

 

*Dom Enemésio Lazzaris, bispo de Balsas (MA) e presidente da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e José Batista Afonso, advogado da CPT em Marabá, fez parte da equipe de acusação no julgamento do caso Dorothy.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Ao visitar alguns blogs me deparei com o seu, e quero dar-lhe os parabéns por partilhar o seu saber, gostei por isso deixo aqui um convite:
Ficaria radiante se visita-se o meu blog, e leia alguma coisa, meu blog é um blog cristão que fala de diversos assuntos.
É o Peregrino E Servo.
Desejo muita paz e saúde.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/