segunda-feira, 20 de abril de 2015

Declaração Final do VI CONGRESO da CLOC - Via Campesina

Cada pessoa brilha entre todos os outros. Não existem dois incêndios. Há grandes incêndios e pequenas fogueiras e fogos de todas as cores. Há pessoas de fogo sereno que não percebe o vento, e as pessoas de fogo louco, enchendo o ar com faíscas. Alguns fogos, fogos estúpidos, sem luz nem queimar; enquanto outros queimam a vida tão mal que você não pode vê-lo sem pestanejar, e quem está chegando, vamos lá.
Eduardo Galeano

Na Argentina, o local de nascimento de Che Guevara, Evita, Mercedes Sosa, a 200 anos do Congresso dos Povos gratuito convocada pelo General Artigas, que liderou a primeira Reforma Agrária na América Latina e 10 anos de enterro da ALCA em Mar del Plata , foi realizado o VI Congresso Latino-Americana de Organizações do Campo.

Nós somos o CLOC-VC, expressão organizada dos camponeses, povos indígenas, afro-descendentes e dos trabalhadores assalariados no sector agrícola.

O CLOC, é o fogo, luz e ação da Via Campesina na América Latina. Saímos do centro do processo dos 500 anos de Indígena, Negra e Popular, que se juntou ao movimento camponês histórico e os novos movimentos que surgiram em resposta ao processo de desmantelamento das políticas neoliberais impostas pela Resistência Campesina mesmo.

Nós combinamos a força, experiência e luta, e construir propostas de organização e de programas de acordo com os novos momentos políticos, alegando que a terra é uma questão para toda a sociedade e, como tal, temos de enfrentá-lo em uma alternativa de estratégia e poder popular.
Nosso Congresso realizou-se num momento em que as contradições e luta de classes é refletida em uma ofensiva do capital que promove novas guerras, opressão e conspiração contra o povo, cuja expressão máxima é um ataque direto à Venezuela para declará-lo um perigo para a segurança dos Estados Unidos, mas também em várias golpe e estratégias de desestabilização implementadas pela aliança de grandes grupos empresariais de comunicação e do capital financeiro, buscando derrotar a soberania de nossos povos e impedir a ação de governos progressistas na região .

Reconhecendo o progresso dos processos de integração regional e continental, como a UNASUL, ALBA, do MERCOSUL e CELAC, o Congresso VI saudou a forte solidariedade e unidade entre as organizações e países da América Latina e do Caribe, que apoiaram a posição de Cuba e sua denúncia sobre o bloqueio e as manobras e campanhas contra o seu povo dos Estados Unidos; atitude que nos incentiva a continuar a construção da Pátria Grande de Bolívar, San Martín, Martí, Sandino e Chávez.

Rejeitamos o patriarcado, o racismo, o sexismo e homofobia. Nós lutamos por democrática e participativa, livre da exploração, discriminação, opressão e exclusão das mulheres e jovens empresas. Condenamos todas as formas de violência doméstica, social, trabalho e violência institucional contra as mulheres.

Nós levantamos a bandeira dos nossos parceiros: o camponês e do feminismo popular é parte de nosso horizonte estratégico de transformação socialista.

O trabalho de fortalecimento de nossas organizações e, especialmente, das nossas bases vai permanecer no centro das nossas prioridades. Comprometemo-nos a reforçar a participação e integração dos jovens em todos os processos organizacionais.

Reafirmamos a ampla reforma agrária e Popular, camponesas e indígenas agro-ecológica da agricultura de base como componentes essenciais do nosso caminho para a soberania alimentar e refrigerar o planeta, garantindo o acesso à terra e à água para as mulheres, os jovens, sem terra, e garantir a recuperação de territórios por descendentes indígenas e afro. Também lutando para o reconhecimento da função social da terra e da água, bem como a proibição de todas as formas de especulação e açambarcamento das mesmas.

Nós nos comprometemos a continuar a defender e manter viva as nossas camponesas e indígenas sementes, de modo que nas mãos das comunidades recuperar, reproduzir e multiplicar-se, a partir de nossos sistemas agrícolas. Não hesite em lutar contra qualquer forma de privatização e de propriedade de sementes e de toda a vida.

Temos de derrotar o modelo agrícola imposta por empresas do agronegócio que apoiados pelo internacional e baseado em monoculturas GM capital financeiro, uso massivo de agrotóxicos e expulsão de camponeses de campo, é o principal responsável para a comida, o clima, crise energética e urbanização.

Chamada para continuar lutando incansavelmente por um mundo livre de OGM e pesticidas que contaminam, doentes e matar nosso povo e da Mãe Terra. Resista cidades e comunidades ao longo do extractivismo, megaminería e todos os megaprojetos que ameaçam nossos territórios.

Nós celebramos a realização da Via Campesina, colocando a Carta dos direitos dos camponeses sobre a agenda do Conselho de Direitos Humanos da ONU e exigir que os governos ratifiquem as nossas posições. Nós chamamos as nossas organizações transformar a Carta em um instrumento de luta do povo do país e da sociedade.

O futuro nos faz fértil quando o sorriso terno de centenas de crianças a partir de 1 Congresito, entregou sua mensagem de paz e de cuidados de nossa mãe terra.

O futuro é os nossos filhos, este é iluminado com o vigor ea força da juventude, e nossas ferramentas principais são a formação, educação, comunicação e mobilização de massa, da unidade e as alianças entre os agricultores, aldeias afro-descendentes, indígenas, trabalhadores em setores populares do campo e da cidade, os alunos e, organizado depois de formar uma força capaz de fazer mudanças para as quais lutamos. Vivemos um momento histórico muito inédita e complexa, determinada por um novo equilíbrio de poder entre o capital, os governos e as forças populares. O capital imperialista está agora sob o controlo financeiro e transnacional, assim SOCIALISMO identificado como o único sistema capaz de alcançar a soberania de nossas nações, com destaque para os valores da solidariedade, do internacionalismo e da cooperação entre os nossos povos.

Contra o capitalismo ea soberania de nossos povos, unidade América ainda lutando!

Nenhum comentário: