quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Assentados cobram e INCRA notifica invasores de reserva legal




O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária esteve na manhã desta terça-feira, 27 de setembro, no assentamento Flor do Bosque, em Messias, para notificar invasores dos 70 hectares de Reserva Legal (RL).

A presença do INCRA foi provocada pela cobrança dos assentados e assentadas, que durante a Jornada Unitária pela Reforma Agrária, exigiram proteção da área de preservação e a liberação dos recursos do projeto, já aprovado pelo Fecoep, para reflorestamento da reserva.

“Na reunião com o INCRA (dia 8 de setembro), o procurador se comprometeu a notificar os invasores e ingressar com uma ação de reintegração de posse”, afirmou assentado Jailson Tenório, o Careca, coordenador da Comissão Pastoral da Terra.

A luta em defesa da RL se estende desde 2011. Ao menos três operações do IMA, Secretaria de Agricultura de Alagoas e Batalhão Ambiental já foram realizadas. Entretanto, grileiros permanecem construindo casas e vendendo lotes. Os camponeses esperam, desta vez, que a ação do INCRA seja definitiva.

Saiba mais:Reserva Legal do assentamento Flor do Bosque é invada por grileiros
Pastoral denuncia invasão de Reserva Legal em Assentamento



Milton Magni, Chefe da Divisão de Desenvolvimento do INCRA, explicou que a notificação atual pede a saída dos invasores e, caso não aconteça no prazo de 15 dias, será requisitado à justiça a reintegração de posse.

“Essas famílias se encontram na área de reserva do INCRA. Vamos pedir a reintegração de posse. A posição do órgão é que não fique ninguém na área”, disse Magni, durante a notificação.



Assentados cobram e INCRA notifica invasores de reserva legal




O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária esteve na manhã desta terça-feira, 27 de setembro, no assentamento Flor do Bosque, em Messias, para notificar invasores dos 70 hectares de Reserva Legal (RL).

A presença do INCRA foi provocada pela cobrança dos assentados e assentadas, que durante a Jornada Unitária pela Reforma Agrária, exigiram proteção da área de preservação e a liberação dos recursos do projeto, já aprovado pelo Fecoep, para reflorestamento da reserva.

“Na reunião com o INCRA (dia 8 de setembro), o procurador se comprometeu a notificar os invasores e ingressar com uma ação de reintegração de posse”, afirmou assentado Jailson Tenório, o Careca, coordenador da Comissão Pastoral da Terra.

A luta em defesa da RL se estende desde 2011. Ao menos três operações do IMA, Secretaria de Agricultura de Alagoas e Batalhão Ambiental já foram realizadas. Entretanto, grileiros permanecem construindo casas e vendendo lotes. Os camponeses esperam, desta vez, que a ação do INCRA seja definitiva.

Saiba mais:
Reserva Legal do assentamento Flor do Bosque é invada por grileiros
Pastoral denuncia invasão de Reserva Legal em Assentamento

Milton Magni, Chefe da Divisão de Desenvolvimento do INCRA, explicou que a notificação atual pede a saída dos invasores e, caso não aconteça no prazo de 15 dias, será requisitado à justiça a reintegração de posse.

“Essas famílias se encontram na área de reserva do INCRA. Vamos pedir a reintegração de posse. A posição do órgão é que não fique ninguém na área”, disse Magni, durante a notificação.



domingo, 25 de setembro de 2016

Feira Camponesa movimenta Conjunto Santo Eduardo

Em outubro, evento chega à Praça da Faculdade



De 22 a 24 de setembro, a Feira Camponesa modificou a rotina do conjunto Santo Eduardo. Centenas de pessoas, manhã, tarde e noite, ocuparam a praça Dênis Agra para adquirir alimentos saudáveis e assistir apresentações culturais.

As duas dezenas de camponeses e camponesas, vindos dos assentamentos e acampamentos da reforma agrária, foram muito bem acolhidos pela comunidade, que aprovam a ideia da Feira perto de sua casa.

“A população, mais uma vez, compareceu à Feira Camponesa. Foi bonito ver os moradores, durante o dia, adquirirem alimentos e, pela noite, voltarem com suas famílias para se confraternizarem em nossa programação cultural. Muitos trouxeram seus filhos e a criançada aproveitou para brincar e correr na praça”, afirmou Carlos Lima, coordenador da Comissão Pastoral da Terra e um dos organizadores do evento.

Além da população local, a Feira também atraiu moradores de outros bairros. Esse é o caso da arquiteta Nichole Dellabianca, que ouvi falar da feira e veio da garça torta em busca dos frutos da reforma agrária.

“Soube e vim para comprar. Os preços são muito bons, principalmente, porque estamos comprando saúde. um absurdo frutas no supermercado. Compensa muito mais comprar aqui: apoio o pequeno produtor, levo saúde para mesa e faço economia”, afirmou Nichole.


Quem não pode comparecer à Feira no Santo Eduardo terá uma nova chance. Já no próximo dia 5 de outubro, a 25ª Feira Camponesa ocupará a Praça da Faculdade com alimentos saudáveis, casa de farinha, atrações noturnas e muito mais.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Feira Camponesa começa nesta quinta-feira no Santo Eduardo


A Comissão Pastoral da Terra realiza, de quinta-feira (22) a sábado (24), mais uma edição da Feira Camponesa. Cerca de 30 homens e mulheres do campo ocuparão a Praça Dênis Agra, no Conjunto Santo Eduardo, com alimentos saudáveis, casa de farinha e atrações culturais.

Das 6 horas às 22 horas, a população poderá adquirir os frutos da reforma agrária, cultivados de maneira agroecológica na zona da mata, litoral e sertão de Alagoas. “Em nossa Feira, todos os produtos são saudáveis, ou seja, livres de agrotóxicos”, afirmou a agrônoma Heloísa Amaral, coordenadora da CPT Alagoas.

Banana, macaxeira, inhame, laranja, ovos, galinha, feijão, abóbora são alguns dos alimentos que serão comercializados pelos próprios trabalhadores rurais. “O camponês que luta pela terra é o mesmo que planta e vende, não há atravessador. Por isso, o trabalhador pode comercializar por um preço justo e a população também ganha, adquirindo por um valor mais barato e ainda tem possibilidade da famosa ‘pechincha’”, completou Heloísa.

Noite Cultural

As noites da Feira Camponesa no Santo Eduardo contarão com a animação de atrações culturais. Na quinta-feira, sobe ao palco a banda de pífanos Fulô da Chica Boa. Já na sexta-feira, é a vez de Micheline Encanta se apresentar. As atrações ocorrem sempre das 19h às 22 horas.

Serviço
Feira Camponesa no Santo Eduardo
Dias 22 a 24 de setembro de 2016
Horário: 6h às 22h (exceto no sábado, quando encerra às 12h)
Local: Santo Eduardo, Praça Dênis Agra – Poço
Apoio: Iteral e Governo de Alagoas

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Após manifestações, movimentos do campo são recebidos no Palácio do Governo e no TJ/AL

Jornada Unitária pela Reforma Agrária prossegue, nesta quarta-feira, com o Grito dos Excluídos


No segundo dia de manifestações e ocupações de prédios públicos na capital alagoana, os sete movimentos de trabalhadores rurais de Alagoas foram recebidos pelo Desembargador Vice-presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas, Tutmés Airam, e pelo Governador de Alagoas, Renan Filho.

Os movimentos exigiram punição aos assassinos das lideranças camponesas, velocidade na destinação da massa falida do Grupo João Lyra para a reforma agrária, efetivação do programa de aquisição de alimentos da agricultura familiar para a merenda escolar, apoio à comercialização de alimentos da reforma agrária, acesso ao canal do sertão e infraestrutura para os assentamentos.

Para José Roberto, coordenador do MST, as reuniões foram importantes para destravar a pauta dos trabalhadores que está engavetada, há anos, nos gabinetes do governo e da justiça. “Esse governo e essa justiça só funcionam na pressão. Foi preciso juntarmos 5 mil trabalhadores na porta do governo para sermos recebidos e sairmos de lá com a promessa, por exemplo,  do funcionamento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) - que é lei desde 2009, mas, ainda assim, o governo descumpre”, disse a liderança sem-terra.



A Jornada de Lutas Unitária em Defesa da Reforma Agrária e da Agricultura Familiar encerra suas atividades nesta quarta-feira com a participação na 22ª edição do Grito dos Excluídos, atividade realizada em contraposição à “falsa independência do Brasil”, como explica o coordenador da CPT, Carlos Lima.

"Como pode um país ser independe com tanto sem-terra? Com tanta criança fora da escola? Com 12 milhões de desempregados? Enquanto a burguesia festeja o grito do Ipiranga, nós vamos dar o grito dos excluídos", afirmou Lima, convidando a população para o Grito que será realizado no dia 7 de setembro, a partir das 8 horas, com concentração em frente ao antigo Clube Fênix.

Por fim, na quinta-feira, um grupo de 500 camponeses ainda permanecerá na capital para uma reunião agendada com o novo superintendente do INCRA.