quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Seminário debate questão agrária nos 200 anos de Alagoas




A Comissão Pastoral da Terra e o Movimento de Libertação dos Sem Terra realizam, nesta quarta-feira (23), quinta-feira (24) e sexta-feira (25), o seminário A Questão Agrária em Alagoas: propriedade, lutas camponesas e produção agroecológica. O evento acontece no Centro Social da Fetag, Mangabeiras, das 8 horas às 17 horas. Sua abertura oficial está marcada para às 9h30 desta quarta-feira.

O seminário é gratuito, aberto ao público e tem como foco a formação de camponeses e camponesas na produção agroecológica e na história agrária de Alagoas. Sua programação conta com a participação dos professores Sávio de Almeida e Cícero Albuquerque, que palestram sobre Terra em Alagoas e Campesinato em Alagoas, respectivamente.

Além de palestras, haverá uma oficina, durante a tarde desta quarta-feira, com o tema agroecologia: um modelo de vida. A oficina será ministrada pela agrônoma e coordenadora da CPT, Heloísa Amaral.

Para o historiador e coordenador da Pastoral da Terra, Carlos Lima, o evento será um encontro do saber popular e acadêmico para recontar a história de Alagoas, que completa 200 anos em 2017. “Essas terras são marcadas por conflitos e lutas antes mesmo de sua emancipação política. Queremos, com esse seminário, abrir as discussões sobre esta data e seus significados”, afirmou Lima.

Serviço
Seminário A Questão Agrária em Alagoas: propriedade, lutas camponesas e produção agroecológica Programação
Dias: 23 a 25 de novembro de 2016
Local: Centro Social da Fetag, Mangabeiras
Horário: 8h às 17h

Programação
23 de novembro
8 horas - Credenciamento e Acolhimento
9h30 – Mística e Mesa de abertura;
10 horas - Palestra Terra em Alagoas com o Professor Sávio de Almeida;
12 horas – Almoço;
14 horas - Oficina A agroecologia: um modelo de vida.

24 de novembro
8 horas - Café da manhã;
9h30 - Palestra Campesinato em Alagoas com o Professor Cicero Albuquerque;
12 horas – Almoço;
14 horas  - Desafios e propostas.

25 de novembro
9 horas  - Encaminhamentos e avaliação.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Feira Camponesa começa nesta quinta-feira, 24, no Pinheiro


A população do bairro do Pinheiro acolherá mais uma edição da Feira Camponesa Itinerante. De 24 a 26 de novembro, ao lado da Igreja Menino Jesus de Praga, cerca de 30 camponeses e camponesas comercializarão alimentos saudáveis e com sabor de justiça social.

Banana, laranja, macaxeira, inhame, feijão, batata, ovos e hortaliças são alguns dos alimentos cultivados de maneira agroecológica nos assentamentos da reforma agrária que estarão disponíveis à população. Além dos frutos da terra, a Feira contará ainda com uma casa de farinha.

“Queremos convidar a comunidade do Pinheiro e região para prestigiar a nossa feira e adquirir alimentos livres de agrotóxicos diretamente com os camponeses. É bom para a saúde e para o bolso”, afirmou a agrônoma Heloísa Amaral, coordenadora da Comissão Pastoral da Terra.


A Feira funcionará das 6h às 20 horas. Esta edição é uma realização da CPT, com o apoio da Paróquia Menino Jesus de Praga e do Iteral. 

terça-feira, 15 de novembro de 2016

29ª Romaria da Terra clama pelo fim das injustiças


Inspirada na encíclica papal Laudato Si - “Casa comum, nossa responsabilidade”, a 29ª Romaria da Terra e das Águas clamou pelo fim das injustiças e convocou a população a se engajar na luta por um mundo melhor. A edição de 2016 da Romaria foi realizada nos dias 12 e 13 de novembro, em São Miguel dos Milagres. O ato de fé e penitência reuniu mais de mil romeiros e romeiras para um percurso de 13 km, da Igreja Matriz da Paróquia de Nossa Senhora Mãe do povo até o assentamento Jubileu 2000.


Sob a luz da lua cheia e de velas, religiosos e movimentos sociais e pastorais caminharam pela madrugada cantando e rezando. Em quatro paradas, foram realizadas reflexões sobre a “Casa Comum”, a “Água Bem Comum”, a “Terra Bem Comum” e a “Reforma Agrária”. Mesmo com o trio elétrico tendo quebrado ainda no primeiro quilômetro, o povo não desaminou, continuou a cantar e rezar durante todo o longo percurso.

Para Leandro Enoque, jovem da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, do Vergel do Lago, Maceió, a ausência da banda tocando ao trio não diminuiu a importância do evento. "É minha primeira vez, gostei. Mesmo sem o trio, a gente fez o som e cantou, pois sempre que tem um problema a gente pode dar uma solução. Antigamente, não existia trio e o povo fazia suas romarias. Pretendo voltar ano que vem”, afirmou Leandro.


Pessoas de todas as idades e de diversas regiões estiveram nessa Romaria, de idosos a crianças de colo. A assentada Maria do Bobó, 70 anos, veio de Água Branca, sertão de Alagoas. Maria enfrentou uma viagem que durou quase 8 horas, mas garantiu: “valeu à pena, virei sempre enquanto Deus me der vida e condições de caminhar” afirmou.

A anfitriã Irmã Cícera Menezes, coordenadora da CPT assentada no Jubileu 2000, ficou bastante contente a realização da romaria e afirmou: “apesar do contratempo, foi um momento importante de fé do povo e que serve como combustível para se alimentar e continuar sonhando com um mundo melhor”.

Lutar contra a PEC 241 é cuidar da casa comum




A Santa Missa foi recheada de místicas e reflexões sobre a Terra Mãe. Do início ao fim da celebração, coordenada pelo Padre Ronaldo, os fiéis ouviram a palavra de Deus e os ensinamentos do Papa Francisco. As presenças do Pe Alex Cauchi, Pároco da Arquidiocese da Paraíba, e do Pe Luciano Lima, coordenador diocesano das Pastorais Sociais da Diocese de Salgueiro, engradeceram ainda mais a cerimônia.



Na homilia, os padres convidados, apresentaram o chamado do Papa para cuidar da terra e da vida, como uma responsabilidade de todos, e citaram o momento político que o Brasil vive. “Não é o fim do mundo, mas essa PEC é quase isso, ela é contra a gente, o povo. Vivemos tempos difíceis em nosso país. Os estrangeiros estão doidos para pegar nosso petróleo e estamos correndo o risco de voltar ao tempo de o povo passar fome e a ter saques por comida. Se a gente não cuidar, vamos perder o que já conquistamos”, afirmou o Pe Alex Cauchi, lembrando os 16 anos de vitória do assentamento Jubileu 2000.

A Proposta de Emenda Constitucional 241, agora PEC 55, já foi aprovada na câmara de deputados e agora tramita no Senado Federal. Esse projeto visa congelar durante 20 anos os recursos para as despesas primárias, incluindo saúde e educação. Se aprovado, mesmo que a economia cresça, o Brasil só poderá reajustar os investimentos limitado à inflação e todo excedente será destinado aos banqueiros e detentores da dívida pública.


Para o Padre Luciano Lima, o papel de todo cristão é lutar contra as injustiças e as paróquias devem se posicionar nessa batalha contra o congelamento de recursos nas áreas sociais. “Eu não chamo PEC, chamo ‘peste’. Essa peste significa acabar o SUS e estudante ter que pagar para estudar. E o que dói não é só a PEC, é muita gente que está na Igreja balançando a cabeça e aceitando a injustiça”, afirmou o coordenador das Pastorais Sociais em Pernambuco.

E prosseguiu: “Dom Hélder dizia que uma varinha sozinha é fácil de quebrar, mas 5 já é difícil. O Papa diz: casa comum, nossa responsabilidade. Então não podemos fechar os olhos. Não basta os bispos dizerem que são contra, é preciso que a Igreja se posicione, que a gente fale nas missas e vá organizando varinha por varinha para ter um mundo melhor", concluiu o religioso convocando os homens e mulheres presentes a participarem das pastorais e grupos da Igreja com o objetivo de se engajar nas lutas sociais.







quinta-feira, 10 de novembro de 2016

29ª Romaria da Terra ocorre próximo final de semana em Milagres/AL




A Comissão Pastoral da Terra, em parceria com a Paróquia Nossa Senhora Mãe do Povo, realiza, nos dias 12 e 13 de novembro, a 29ª Romaria da Terra e das Águas. Sob o tema Terra Mãe, mais de mil romeiros e romeiras devem caminhar da Igreja Matriz ao Assentamento Jubileu 2000, em São Miguel dos Milagres.


O percurso de 12 km será vencido durante a madrugada até o amanhecer do dia, tendo como ponto de partida a missa campal, realizada na Igreja Matriz às 22h. A partir daí, os romeiros e romeiras enfrentam o caminho, fazendo paradas com reflexões baseadas na encíclica papal Laudato si': “Casa comum, nossa responsabilidade”.


Além de religiosos, movimentos sociais e pastorais vindos de todas as regiões de Alagoas, esta Romaria contará com presenças especiais, que ajudarão nas reflexões sobre o tema, o Padre Alex Cauchi, pároco da Arquidiocese da Paraíba e coordenador da Pastoral da Terra em Alagoas durante os anos 90, e Padre Luciano Lima, coordenador diocesano das Pastorais Sociais da Diocese de Salgueiro.


Para a irmã Cícera Menezes, uma das organizadoras do evento, a Romaria da Terra é um ato de fé que todo o cristão deve participar. “Caminhamos e lutamos com o povo pobre, assim como Cristo caminhou e defendeu os mais necessitados. Queremos convidar a toda população para caminhar em Romaria em defesa de justiça social”, afirmou a coordenadora da Pastoralda Tera.


Sobre a Romaria


A Romaria da Terra e das Águas relembra o êxodo do povo hebreu, libertando-se da opressão no Egito, em direção à terra prometida e é realizada anualmente pela Arquidiocese de Maceió, pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) e pelas Comunidades Eclesiais de Base (CEB´s). Em 2017, a Romaria completa 30 anos e celebrará esta importante data no Quilombo dos Palmares, lugar onde tudo começou.

Serviço:
29ª Romaria da Terra e das Águas
Dias: 12 e 13 de novembro de 2016
Local: São Miguel dos Milagres
Concentração às 20 horas na Igreja Matriz