quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Maceió: Grito dos/as Excluídos/as está confirmado para 7 de setembro



Para denunciar as injustiças e a exclusão social, os movimentos sociais e Igreja Católica organizam o Grito dos/as Excluídos/as, em contraponto à Dia da Independência do Brasil. Em Maceió, a marcha de trabalhadores do campo e da cidade está confirmada para o dia 7 de setembro. Sua concentração está marcada para às 9 horas, na Praça Sinimbu.

Realizado há 23 anos, o Grito dos/as Excluídos/as traz este ano o tema “Vida em Primeiro Lugar” e o lema “Por direitos e democracia, a luta é todo dia”. Com este chamado, os movimentos pretendem denunciar a exclusão provocada pelas reformas do governo Temer, a privatização do patrimônio nacional e a consolidação do golpe contra a classe trabalhadora. Em Alagoas, os movimentos também denunciarão a privatização do Governo Renan e os assassinatos da população de rua, negra, pobre e periférica.

A organização do 23º Grito em Maceió, em reunião no dia 28 de agosto, definiu a realização de uma marcha pela Avenida da Paz, perfazendo o mesmo trajeto do desfile militar, e retornando à Praça Sinimbu. A expectativa é que a atividade reúna de 1500 a 2 mil pessoas, agregando diversos movimentos que lutam contra as injustiças.

“Estamos fazendo a construção do Grito com uma pluralidade de pensamentos. Além das Pastorais Sociais - que todos os anos tomam à frente -, contamos com grupos e entidades não ligados à Igreja, mas que lutam contra a exclusão social”, disse Carlos Lima, coordenador da Pastoral da Terra.

Para Lima, a realização deste Grito, na conjuntura de retiradas de direitos e retrocessos, atrai ainda mais lutadores para a marcha. “Há 23 anos marchamos contra as injustiças. Neste ano, com a política deste governo de ataques aos direitos , o grito se reveste de importância e se faz ainda mais necessário. Esperamos reunir todos os descontentes com a situação do país para lutar por uma sociedade sem exclusão social”, completou o organizador do evento.


Sobre o Grito

O Grito dos excluídos surgiu no Brasil, em 1994, e se consolidou como um espaço sempre aberto e plural de pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos.

Seu objetivo é valorizar a vida e anunciar a esperança de um mundo melhor, construindo ações a fim de fortalecer e mobilizar pessoas para atuar nas lutas populares e denunciar as injustiças e os males causados por este modelo econômico liberal e excludente, ocupando ruas e praças por liberdade e direitos.

Serviço
Grito dos Excluídos
Dia: 7 de setembro de 2017
Local: Avenida da Paz

Concentração às 9 horas na Praça Sinimbú

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

CPT presta sua homenagem à Dom José Maria Pires


O Arcebispo Emérito da Paraíba, Dom José Maria Pires, fez sua páscoa definitiva no dia 27 de agosto de 2017. Dom Zumbi, como era conhecido, teve sua vida dedicada ao Deus dos pobres e aos feridos de injustiças. Foram 98 anos de intensa dedicação à luta dos oprimidos e devoção à Igreja dos empobrecidos.

Dom José deixou a vida terrena no mesmo 27 de agosto em que morreu Dom Hélder Câmara (99), Dom Luciano Mendes (2006).

Em vida, a CPT registrou com muito carinho sua passagem por Alagoas. O Bispo marchou ao lado de camponeses e religiosos em busca da terra prometida, na 8ª Romaria da Terra, em 13 de dezembro de 1995, em União dos Palmares. Neste evento, suas palavras de fé e esperança aos romeiros foram “A esperança não pode morrer, pois zumbi vive em cada um de nós”.

Na preparação da 30ª Romaria da Terra, a CPT relembra e presta homenagem ao querido bispo dos emprobrecidos, com a certeza de que estará presente ao lado dos oprimidos marchando em mais esta romaria da Terra.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

CPT e Incra realizam reunião para acompanhar pauta de reivindicações


A Comissão Pastoral da Terra e representantes de diversas áreas da reforma agrária do litoral, sertão e região da mata se reuniram com dirigentes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) para acompanhar reivindicações dos camponeses e camponesas. A audiência aconteceu na manhã desta quinta-feira, 24 de agosto, no Walmap, prédio-sede do INCRA.

Esse é o terceiro encontro da CPT com o atual superintendente César Lira. O primeiro aconteceu no dia seguinte à sua posse, durante jornada da Pastoral da Terra em Maceió, no dia 30 de março. Naquele momento, após a ocupação do prédio, foram apresentadas as necessidades mais urgentes de cada área.

No mês seguinte, o INCRA apresentou à Pastoral seu posicionamento acerca do atendimento das demandas dos camponeses e camponesas. Um dos compromissos, foi uma nova reunião três meses após para o acompanhamento das ações prometidas pelo órgão.

Para Heloísa Amaral, coordenadora da CPT, a reunião foi proveitosa e demonstrou compromisso do atual superintendente. ”A realização da reunião demonstrou um avanço na abertura de diálogo do órgão com os movimentos sociais do campo. Possibilitou mostrarmos o que foi feito e o que não foi e onde podemos e devemos avançar mais para que a vida do homem e da mulher do campo se torne melhor”, disse Amaral.

Reivindicações

A demarcação dos assentamentos foi uma das pautas dos camponeses e camponesas. Dentre as solicitadas, o setor de cartografia do Incra confirmou a finalização apenas da demarcação do Assentamento Nossa Senhora Aparecida (NAVIO). No Assentamento Bom Samaritano (TAUÁ), a demarcação está agendada para setembro.

O chefe de Divisão De Ordenamento Da Estrutura Fundiária, José Everaldo Moraes, informou que os Assentamentos Rio Bonito e Prazeres estão incluídos numa licitação geral que aguarda a liberação de Brasília.

A Emissão de Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP/Pronaf), que permite acesso a linhas de crédito e financiamento a juros baixos, também era reivindicação dos assentados.

A funcionária do INCRA, Anabela Fagundes, esclareceu vários casos de áreas presentes e entregou as DAPs do Assentamento Velho Chico (SANTA FÉ 2). Além disso, o próprio Superintendente informou que existe R$ 15 milhões em créditos para os assentamentos de Alagoas e que é necessário que sejam feitos os devidos procedimentos burocráticos para liberação deste recurso. Outra informação importante foi a existência de R$ 5 milhões para perfuração de poços em assentamentos e áreas quilombolas.

O ponto praticamente sem avanços foi o da realização da Reforma Agrária, em si. O Chefe da Divisão de Obtenção, Alessandro, informou sobre os casos de acampamentos e o andamento dos processos, demonstrando o total descompromisso do Governo Federal com o assunto.
Antes de finalizar a reunião, foram tratados alguns outros casos anteriormente levantados, assim como a preservação da área de reserva de mata do Assentamento Flor do Bosque. Nesse caso específico, o superintendente se comprometeu a buscar a Delegacia do Meio Ambiente para a solução do impasse que já dura anos.


terça-feira, 8 de agosto de 2017

Reunião fortalece e amplia construção da 30ª Romaria da Terra

Pastorais Sociais também iniciaram articulação para o Grito dos Excluídos(as)



A 30ª Romaria da Terra e das Águas, marcada para os dias 4 e 5 de novembro, na Serra da Barriga (União dos Palmares), avança a passos largos a cada reunião. Nesta terça-feira, 8 de agosto, novos grupos passaram a integrar a Comissão Organizadora da Romaria e somar forças para o sucesso da edição comemorativa de 30 anos.

Realizada na sede da Comissão Pastoral da Terra, a reunião contou com a presença do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), da Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP), do Centro de Estudos Bíblicos (CEBI), de membros das paróquias de União dos Palmares, de Agentes de Pastoral Negros (APNs), da Cáritas e da Pastoral da Criança.

Para Carlos Lima, coordenador da CPT/AL, a construção coletiva é o caminho para o êxito de uma Romaria que alimente a espiritualidade do caminhante, preserve a memória de luta do Quilombo dos Palmares, incentive a luta pela democratização do uso da terra e estimule a prática da justiça, da partilha e da solidariedade.

“Foi uma reunião importante onde trouxemos à participação mais seguimentos da Igreja e sedimentamos o caminho para construir uma Romaria bem participativa. Nesta reunião debatemos sobre a mobilização das comunidades e a produção do subsídio com textos e músicas para a Romaria. Ele deve ficar pronto até o final do mês e será um importante instrumento para mobilizar as comunidades”, disse Lima.

Durante a manhã desta terça-feira, houve oração, reflexões em grupo e debates sobre a preparação da atividade que deve reunir mais de 5 mil romeiros e romeiras na terra de luta e resistência, de Zumbi e Dandara. Uma das metas destacadas foi a de sensibilizar e articular a presença de padres, religiosas e pastorais de todo o Estado, assim como envolver as comunidades religiosas de Maceió. Além disso, foi evidenciada a mobilização da cidade de União dos Palmares, tanto a área rural quanto a urbana.

Momento de oração com os presentes

Como forma de garantir as finanças para a realização do evento, foi distribuído, aos representantes das pastorais e aos coordenadores da Pastoral da Terra, carnês para aquisição do kit da Romaria, que inclui camisa, chapéu de palha e sacola de tecido personalizada do evento. Esse kit tem o valor de R$ 50,00 e também pode ser adquirido na sede da CPT, na Cúria Metropolitana.

Como próximos passos, ficou combinado de realizar visitas às comunidades rurais e urbanas; usar as redes sociais com vídeos chamando para participar da Romaria; solicitar espaço na reunião do clero; articular as religiosas e religiosos; e enviar a carta do arcebispo convocando para Romaria as comunidades e paróquias.

De agenda, ficou marcado um encontro com representantes das comunidades rurais e urbanas de União dos Palmares, no dia 16 de agosto, às 8 horas, no Centro Paroquial da cidade, e a próxima reunião da comissão organizadora da Romaria para o dia 29 de agosto, as 9 horas, na sala da CPT.

Grito dos(as) Excluídos(as)

Com o tema “Vida em primeiro lugar!” e o lema: “Por direitos e democracia, a luta é todo dia”, a tradicional marcha do Grito dos(as) Excluídos(as) está confirmada para o dia 7 de setembro. Essa será a 23ª edição da manifestação reúne movimentos sociais e pastorais sociais para denunciar as injustiças e os males existentes no Brasil.

Em preparação para esta data que se aproxima, foi convocada uma primeira reunião do 23ª Grito dos Excluídos(as) em Alagoas para o dia 9 de agosto às 9 horas, na sede da CPT.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Feira Camponesa inicia amanhã no bairro do Pinheiro



A edição itinerante da Feira Camponesa chega ao bairro do Pinheiro nesta quinta-feira, 3 de agosto. Organizada pela Comissão Pastoral da Terra, o evento comercializa alimentos saudáveis ao lado da Igreja Menino Jesus de Praga, até ao meio-dia do sábado, 5.

Nesta versão itinerante participam 25 camponeses e camponesas que trazem, do litoral, sertão e região da mata, os melhores frutos da Reforma Agrária de Alagoas. Os alimentos disponíveis na feira são todos produzidos de maneira agroecológica, sem a utilização de agrotóxicos.

“Todos os produtos comercializados na Feira são alimentos fresquinhos e sem veneno. Podem ter a certeza que são da melhor qualidade e com preços justos, vendidos direto pelo produtor”, garantiu a agrônoma Heloísa Amaral, coordenadora da CPT.

A Feira funcionará das 6h às 19h e conta com o apoio da Paróquia Menino Jesus de Praga e do Iteral.

Serviço:

Feira Camponesa Itinerante
Dias: 3 a 5 de agosto de 2017
Local: Igreja Menino Jesus de Praga – Pinheiro

Horário: das 6h às 19 horas